Salão Imobiliário arranca hoje em Lisboa e deverá trazer a debate imposto sobre património

  • Lusa
  • 5 Outubro 2016

Salão Imobiliário de Portugal arranca numa altura em que se discute a introdução de um novo imposto para os imóveis de valores mais elevados.

O Salão Imobiliário de Portugal arranca hoje em Lisboa e deverá levar o Governo a pronunciar-se sobre o eventual novo imposto sobre o património, segundo o presidente da associação dos profissionais de mediação imobiliária.

Em declarações à Lusa a propósito do SIL, Luís Lima disse ser “fabuloso” o momento em que vai decorrer o evento, a dez dias da entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2017, uma vez que deverá levar o Governo a falar sobre o assunto e a ouvir as associações do setor sobre um novo imposto.

"O SIL pode ser giro, vai ter impacto, a intenção do Governo era não falar até ao Orçamento do Estado, mas acho que vão ter de falar no SIL.”

Luís Lima

Presidente da APEMIP

A 14.ª edição do SIL, que vai decorrer de 5 a 9 de outubro em Lisboa, vai contar com a presença de 300 mil empresas, mais 10% face ao ano anterior, e ocupar uma área de 12 mil metros quadrados.

“O SIL pode ser giro, vai ter impacto, a intenção do Governo era não falar até ao Orçamento do Estado, mas acho que vão ter de falar no SIL”, afirmou o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), segundo o qual um novo imposto progressivo sobre o património imobiliário vai travar o investimento estrangeiro em Portugal e penalizar o setor “a longo prazo”.

Estas e outras questões vão marcar os debates que vão realizar-se ao longo destes cinco dias, nos quais a APEMIP está a focar toda a sua atenção, tendo convidado personalidades portuguesas e estrangeiras com forte peso no setor imobiliário, segundo antecipou à Lusa Luís Lima.

À semelhança das últimas edições, o SIL realiza-se em simultâneo com a Intercasa, com o Lisboa Design Show e com o Vintage Festival.

O Intercasa apresenta as últimas novidades em termos de decoração, móveis, iluminação, decoração de cozinha e interiores e equipamento para uso doméstico e eletrónica, ao passo que o SIL reúne vários agentes imobiliários, como investidores, empresários, técnicos, compradores públicos, entre outros.

Por sua vez, a Lisboa Design Show é um espaço dedicado ao design para o lar, constituindo uma montra das novidades, da criatividade, da inovação e das tendências do design para casa e acessórios de moda.

Este ano são esperados mais de 55 mil visitantes, segundo a organização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salão Imobiliário arranca hoje em Lisboa e deverá trazer a debate imposto sobre património

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião