Novo imposto sobre património afeta 43 mil pessoas

  • Rita Atalaia
  • 22 Setembro 2016

Mariana Mortágua diz que só há 43 mil contribuintes com património acima dos 500 mil euros. Mas, se a taxa for aplicada a património imobiliário acima de 1 milhão, o número baixa para oito mil.

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, disse numa entrevista à TVI, na quarta-feira à noite, que há apenas 43 mil contribuintes com património acima dos 500 mil euros que serão afetados pelo novo imposto sobre o imobiliário.

Estamos a falar de 1% da população, os mais ricos. O que ficou acordado no grupo de trabalho foi que a medida exclui a larga maioria dos contribuintes”, disse a deputada na entrevista. “E se falarmos de contribuintes com património acima de 1 milhão, estamos a falar de oito mil pessoas”, acrescentou.

No entanto, Mariana Mortágua não confirmou se o novo imposto avançará com um patamar mínimo de 500 mil euros ou de um milhão.

Estamos a falar de 1% da população, os mais ricos. O que ficou acordado no grupo de trabalho foi que a medida exclui a larga maioria dos contribuintes

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda

A deputada tem sido alvo de críticas e polémica depois de ter dito que é preciso “perder a vergonha de ir buscar dinheiro a quem está a acumular dinheiro”, contribuindo para o aumento das tensões entre os partidos.

Em relação ao facto de ter sido a primeira pessoa a comentar publicamente esta medida, Mortágua disse na entrevista que rejeita as interpretações de excesso de protagonismo do bloco neste caso.

Houve infelizmente uma fuga de informação que deu origem a uma notícia no Jornal de Negócios sobre uma matéria que estava a ser discutida no grupo de trabalho de política fiscal. Isso levou a que esse grupo se reunisse com o governo e decidisse entre o PS, o governo e o BE, com o conhecimento do secretário do Estado dos Assuntos Fiscais, que um deputado do BE e um do PS prestariam declarações comunicando qual o entendimento dos dois partidos e do Governo em relação a esta medida”, disse a deputada.

O primeiro-ministro, António Costa, disse na terça-feira que é prematuro discutir os prós e os contras do imposto, uma medida que ainda não está “concluída, finalizada”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo imposto sobre património afeta 43 mil pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião