“Fat tax” pode chegar já em 2017

  • Rita Atalaia
  • 4 Outubro 2016

António Costa admite criar um novo imposto indireto no próximo ano. O "fat tax" servirá para taxar produtos com excesso de sal, açúcar e gorduras e promover hábitos alimentares saudáveis.

O primeiro-ministro de Portugal diz que “é provável” que venha a criar um novo imposto indireto na área do consumo em 2017: o “fat tax”. Este imposto servirá para taxar produtos com gorduras, sal e açúcares, aumentando a receita ao mesmo tempo que promove hábitos alimentares mais saudáveis por parte da população.

“É verdade que a tributação sobre o consumo tem um impacto regressivo, mas também depende de que tipo de imposto estamos a falar”, diz António Costa numa entrevista ao jornal Público. O primeiro-ministro acrescenta que há “outros impostos especiais sobre o consumo que dependem de escolhas individuais: produtos de luxo, tabaco, álcool”. Assim como refrigerantes, batatas fritas ou fast food.

Não é a primeira vez que se ouve falar do fat tax. No entanto, o Jornal de Negócios escreve que este imposto ainda não conseguiu afirmar-se como a opção adequada para promover melhores hábitos de consumo e financiar as despesas de saúde. O problema é que estes produtos costumam ser adquiridos por famílias com menor rendimento por serem normalmente mais baratos, acabando por ser as mais penalizadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Fat tax” pode chegar já em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião