Balas de prata: Corticeira junta-se aos CTT e NOS

O Haitong apresentou as novas apostas para o final do ano. São seis as cotadas ibéricas eleitas, com três destas de nacionalidade portuguesa. A Corticeira é a novidade.

A Corticeira Amorim tem sido uma das estrelas da bolsa nacional, mas agora passou a “bala de prata”. O Haitong selecionou a empresa de cortiças como uma das suas apostas para os próximos três meses, juntando-a aos CTT e também à NOS.

A empresa liderada por António Rios de Amorim “está a desfrutar de um forte momento, impulsionada pelo aumento da sua quota, o crescimento da produção de vinho e o regresso da cortiça à preferência no que respeita às rolhas para o vinho”, diz o Haitong.

É neste sentido que o banco inclui a Corticeira na sua lista das eleitas. Uma aposta suportada também no potencial aumento do capital disponível para negociação em bolsa. “A família que controla a empresa poderá vender até 10% da sua posição, o que será um catalisador para os títulos e aumentará a visibilidade” das ações que sobem 50% em 2016.

CTT, a recuperação

A Corticeira Amorim entra na lista das “balas de prata” com um potencial de subida de 24%, tendo em conta o preço-alvo de 11,00 euros atribuído pelo Haitong. Maior margem de progressão tem a NOS (36%) face à avaliação de 8,00 euros, mas nenhuma cotada chega ao potencial atribuído aos CTT.

A empresa de correios, que atingiu pela primeira vez um nível abaixo dos 5,52 euros da oferta pública de venda (nos 5,511 euros), mantém-se, tal como a NOS, na lista do Haitong suportada pela elevada rendibilidade do dividendo (cerca de 8%). O banco de investimento dá-lhe um potencial de 80% face ao preço-alvo de dez euros. Os CTT estão a cotar nos 5,80 euros.

Três espanholas

Nenhuma das seis “balas de prata” tem tanta margem de progressão como a empresa liderada por Francisco Lacerda. A mais próxima é a Euskaltel que pode valorizar 56%, na perspetiva do Haitong, um das três cotadas espanholas eleitas.

Além da Corticeira, dos CTT, NOS e Euskaltel, o banco de investimento introduziu no seu cabaz também a Acerinox e a Logista para tentar apresentar um registo mais expressivo que os índices ibéricos, o PSI-20 e o IBEX-35. No terceiro trimestre, o resultado foi praticamente igual.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Balas de prata: Corticeira junta-se aos CTT e NOS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião