Samsung: além do Note 7, já arderam 17 mil milhões na bolsa

  • Rita Atalaia
  • 11 Outubro 2016

A polémica em torno das baterias do Note 7 já tirou 17 mil milhões de dólares ao valor da Samsung. Mas não vai ficar por aqui. A empresa já disse adeus ao seu modelo mais caro.

Os Galaxy Note 7 têm estado a explodir durante o seu carregamento. E o incêndio propagou-se às ações da Samsung: a empresa já perdeu 17 mil milhões de dólares (15,3 mil milhões de euros) desde que começaram os problemas com o modelo mais caro da companhia sul coreana.

A Samsung caiu 8%, a maior queda desde 2008, altura da crise financeira, na última sessão, isto depois de anunciar que suspendeu a produção do mais recente topo de gama. Um descalabro em bolsa que custou milhares de milhões aos acionistas. E que deverá continuar a pesar no desempenho das ações que valem agora 1,545 milhões de won da Coreia do Sul.

Ações da Samsung com queda a pique

2016out11_samsung2-01
Fonte: Bloomberg (Valores em won da Coreia do Sul)

 

É que depois de ter dito que iria parar a produção e interromper as vendas e trocas do aparelho, a empresa teve que tomar uma decisão difícil: dizer adeus ao Note 7. Fontes próximas dizem que a empresa enviou um comunicado ao regulador onde confirmar que tomou a “decisão final” sobre o fim da produção. Isto significa que já não vai produzir ou vender o telemóvel.

E o impacto pode não se limitar à Samsung e generalizar-se aos seus fornecedores, mas também aos rivais. As ações das tecnológicas registaram a queda mais acentuada entre as cotadas e já perderam 2,1% no espaço de apenas uma semana.

A empresa está a enfrentar o aumento da concorrência a nível dos smartphones topo de gama. Estamos a caminho da época do Natal e a Apple já apresentou o iPhone 7 e a Google apresentou o Pixel, que usa o mesmo software da Samsung. Agora perdeu o aparelho que poderia usar como trunfo neste mercado.

Alerta dos reguladores

A questão do sobreaquecimento das baterias já envolveu vários reguladores. Nos EUA, o responsável pela segurança dos produtos pediu à empresa para parar de vender ou trocar os telemóveis. A Samsung já disse estar a cooperar com as autoridades.

Na China, os reguladores disseram que a Samsung vai expandir a recolha para um valor acima dos 190.000 aparelhos, mais 100 unidades em relação ao que era esperado. Gigantes do comércio eletrónico, como a Alibaba, deixaram de vender o Note 7 a partir de hoje.

"O que é que vai acontecer à próxima versão do telemóvel quando for revelada e de que forma é que isto vai afetar as vendas? (…) Não é apenas o telemóvel, é todo o ecossistema por detrás — ecrãs, chips de memória. Se as suas vendas caírem, então as vendas de outras áreas do negócio vão ser penalizadas. É uma espiral”

Dan Baker

analista da Morningstar

A Samsung pediu a todos os retalhistas e fornecedores para pararem de vender e trocar o modelo. A empresa não diz quantos telemóveis é que serão afetados pela interrupção das vendas. Os analistas estimam que a recolha original vai custar entre 1 mil milhões e 2 mil milhões de dólares à Samsung. O número vai certamente aumentar com o fim do Note 7.

 

 

 

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Samsung: além do Note 7, já arderam 17 mil milhões na bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião