Em atualização ONU: Guterres promete “abordagem humilde”

Após seis votações, Guterres conseguiu a nomeação na semana passada e esta quinta-feira foi confirmado pela Assembleia Geral da ONU. Esta é a reta final de um processo que começou a 12 de abril.

António Guterres promete uma “abordagem humilde” enquanto secretário-geral. No discurso após ter sido confirmado como líder da ONU, o ex-primeiro-ministro diz sentir a “profunda responsabilidade” do cargo que assume em 2017.

“Estou ciente dos desafios da ONU e as limitações do secretário-geral”, admitiu Guterres. No entanto, referiu que as portas do seu gabinete vão estar abertas e promete ser uma “ponte de consensos”.

“O que aconteceu à dignidade humana?” É a questão que o próximo secretário-geral deixa à Assembleia Geral da ONU. Guterres falou das suas visitas a zonas de guerra enquanto Alto Comissário da ONU para os Refugiados.

António Guterres avisou que não se pode ficar “imune” ao que acontece nas guerras, “cada vez mais complexas”, classificando-as de “insuportáveis” do ponto de vista humano por alimentarem o ódio. “Não aceitem os comportamentos repugnantes que possam prejudicar os heróis ao serviço da ONU”, apelou.

Além disso, Guterres vincou a importância da igualdade de género, reconhecendo os vários “obstáculos” que as mulheres enfrentam em todo o mundo.

Em vez de a reprimir, o ex-primeiro-ministro quer promover a diferença: “A diversidade é uma mais-valia e não uma ameaça. As sociedades multiétnicas, multirreligiosas e multiculturais unem, não afastam”, argumentou. Guterres quer uma diplomacia “capaz de promover a diversidade”.

António Guterres foi oficialmente aprovado pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O ex-Alto Comissário da ONU para os Refugiados foi recomendado para o cargo pelo conselho de Segurança da ONU a 6 de outubro. Guterres sucede a Ban Ki-moon a 1 de janeiro de 2017.

“António Guterres é assim confirmado por aclamação para o cargo de secretário-geral da ONU no período 1 de janeiro de 2017 até 31 de dezembro de 2021”, afirmou o presidente da Assembleia Geral da ONU. Peter Thomson apelidou este dia de “histórico” por causa do processo de transparência desta eleição presenciado pelos representantes dos 193 estados membros. Thomson sublinhou a “vasta experiência” de Guterres.

A 19 de outubro há nova reunião com a assembleia para preparar trabalho do próximo ano.

A cerimónia começa com um tributo ao Rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, que morreu esta quinta-feira aos 88 anos. Em Nova Iorque está Augusto Santos Silva, o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em declarações esta tarde, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que este foi “o maior combate da sua vida”, referindo-se à eleição de António Guterres. O Presidente da República elogiou a “capacidade de luta” do próximo secretário-geral da ONU.

O Palácio de Belém pendurou a bandeira da ONU voltada para a rua no torreão central do muro. Ao lado está a bandeira de Portugal, sendo que ambas vão ser iluminadas até à meia-noite, de acordo com a Lusa.

Editado por Mónica Silvares

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ONU: Guterres promete “abordagem humilde”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião