Luxemburgo: Empresa acusada de explorar trabalhadores portugueses abre falência

  • Lusa
  • 14 Outubro 2016

Terminou assim o "último capítulo de uma longa história" de "escravatura moderna", afirma um sindicato luxemburguês.

O Tribunal do Luxemburgo decretou a falência da Açomonta, uma empresa de construção várias vezes acusada de explorar trabalhadores vindos de Portugal, num esquema que o sindicato luxemburguês OGB-L classificou de “escravatura moderna”.

Para o sindicato, a falência da empresa “é o último capítulo de uma longa história” de “reiterada violação da convenção coletiva” e da diretiva de “destacamento de trabalhadores estrangeiros”.

A Açomonta, uma filial luxemburguesa da empresa portuguesa com o mesmo nome, empregava atualmente 17 trabalhadores (16 portugueses e um francês), e o encerramento “constitui um momento de angústia acrescido” para quem “já viveu momentos funestos no passado”, diz o sindicato em comunicado divulgado hoje.

Em março de 2013, o sindicato acusou a empresa de recrutar, através de subempreiteiros, trabalhadores portugueses que recebiam 300 a 700 euros por mês, um valor muito abaixo do salário legal no país, a trabalhar “sete dias por semana” e “mais de dez horas por dia”, sendo alojados em “condições desumanas” em França, na fronteira com o Luxemburgo.

Em causa estavam alguns trabalhadores portugueses, mas a maioria eram imigrantes de antigas colónias portuguesas, segundo a central sindical, que acusou a empresa de explorar “trabalhadores estrangeiros” em situação de “debilidade”, prometendo-lhes “salários mais elevados que em Portugal”.

Na altura, a Lusa confirmou os relatos do sindicato junto de trabalhadores e visitou instalações da Açomonta, transformadas em local de habitação sem a devida autorização, segundo a polícia.

Em junho de 2015, uma reportagem com câmara oculta realizada pelo canal de televisão luxemburguês RTL revelou novos casos de exploração de trabalhadores ao serviço de um subempreiteiro da Açomonta, numa obra pública da capital luxemburguesa.

Neste caso, os trabalhadores trabalhavam pelo menos dez horas por dia, a ganhar 7,5 euros por hora (um valor inferior ao salário mínimo no país, que rondava na altura os 12,5 euros por hora), segundo a RTL.

Os casos foram denunciados à Inspeção do Trabalho luxemburguesa, que informou também a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) em Portugal, mas segundo o sindicato, não terá havido quaisquer sanções, disse à Lusa Hernani Gomes, secretário sindical.

Alguns casos chegaram aos tribunais e estão “ainda em curso”, mas dizem respeito apenas a “horas extraordinárias que não foram pagas” a trabalhadores da Açomonta, e não aos trabalhadores contratados através de subempreiteiros, as maiores vítimas da exploração laboral, disse a mesma fonte. “Não houve nenhum processo que avançou, porque em direito luxemburguês não temos a figura da ação coletiva de trabalhadores”, explicou. Os 17 trabalhadores que estavam ao serviço da empresa têm em atraso o salário de setembro, disse o secretário sindical.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luxemburgo: Empresa acusada de explorar trabalhadores portugueses abre falência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião