Corretora de seguros do grupo Sonae faz investimento recorde em Espanha

A MDS fez o maior investimento de sempre de um grupo português no setor dos seguros em Espanha.

A MDS, mediadora de seguros e consultora de riscos do grupo Sonae, adquiriu 35% do capital da espanhola Filhet-Allard, dando origem à Filhet-Allard MDS.

Questionada pelo ECO, a multinacional portuguesa não revela o valor do investimento, mas o comunicado enviado esta manhã às redações refere que a operação, que surge no âmbito da estratégia de crescimento da MDS, representa o maior investimento de sempre de um grupo português no setor dos seguros em Espanha.

O objetivo da MDS passa por reforçar a presença em Espanha, além da possibilidade de expansão para a América Latina, explica o presidente executivo do grupo. “Esta parceria confere à MDS uma verdadeira presença ibérica, criando uma plataforma eficaz para crescer no mercado espanhol, mas também para estabelecer pontes para a América Latina”, refere José Manuel Dias, citado no comunicado.

“A nossa estratégia de crescimento é assim reforçada com um novo mercado prioritário, que se une às posições competitivas relevantes detidas pelo grupo no Brasil e em Angola, bem como à participada Brokerslink, que nos permite prestar apoio aos nossos clientes em mais de 90 países”, acrescenta o responsável.

A carteira da MDS em Espanha será integrada na nova Filhet-Allard MDS, que atuará nas áreas de corretagem de seguros, consultoria e gestão de riscos e employee benefits, tendo como foco os clientes empresariais.

“O mercado a que nos dirigimos é fundamentalmente de empresas e que necessita de brokers que atuem de uma forma profissional e sejam capazes de prestar um serviço especializado aos seus clientes. Há, de facto, um espaço interessante a ocupar no mercado espanhol de seguros, onde se espera uma diminuição do número de atores e um aumento da dimensão destes”, diz ainda Enrique Schoch, CEO da Filhet-Allard MDS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corretora de seguros do grupo Sonae faz investimento recorde em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião