Lucro do Goldman Sachs dispara quase 50%

  • Rita Atalaia
  • 18 Outubro 2016

O lucro do Goldman Sachs subiu acentuadamente no terceiro trimestre. Isto depois de as receitas obtidas com a negociação de obrigações terem ficado acima das expetativas dos analistas.

O Goldman Sachs, um dos bancos mais rentáveis de Wall Street, revelou uma subida acentuada dos lucros no terceiro trimestre. Isto depois de as receitas da unidade referente à negociação de obrigações terem ficado acima do que era esperado pelos analistas. O CEO salientou o forte desempenho das várias áreas de negócio que ajudou a compensar o típico abrandamento sazonal.

Os lucros dispararam 47% para 2,09 mil milhões de dólares, ou 4,88 de dólares por ação. Este resultado compara com os 1,43 mil milhões, ou 2,90 por ação, registados no terceiro trimestre de 2015, de acordo com um comunicado divulgado pelo banco, citado pela Bloomberg.

"Assistimos a um desempenho forte das várias áreas de negócio, o que ajudou a compensar o típico abrandamento sazonal.”

Lloyd Blankfein

CEO do Goldman Sachs

As receitas da unidade de dívida cresceram para 1,96 mil milhões de dólares, superando a estimativa de 1,7 mil milhões de analistas inquiridos pela Bloomberg. O banco aplicou um corte de 10% ao número de funcionários desta divisão, o dobro do que tem sido habitual fazer em cada ano.

Assistimos a um forte desempenho das várias áreas de negócio, o que ajudou a compensar o típico abrandamento sazonal”, diz o CEO do banco. Lloyd Blankfein reduziu o número dos postos de trabalho e diminuiu os salários para diminuir os encargos. Este trimestre mostra que a estratégia compensou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro do Goldman Sachs dispara quase 50%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião