Netflix: Precisa de 42 dias para ver os conteúdos para 2017

O número de horas de conteúdo produzido em 2016 foi de mais de 600, mas em 2017 vai ser de 1000.

Em 2017 a Netflix prevê produzir 1000 horas de conteúdos próprios. Isto significa que são necessários no mínimo 42 dias inteiros sem parar — o chamado ‘binge watching’ ou Netflix & chill — para ver tudo que a empresa vai trazer no próximo ano.

Esta segunda-feira o relatório do terceiro trimestre da empresa ficou marcado pelo sucesso de Narcos e Stranger Things, que se refletiu nas contas, mais positivas do que o esperado. A Netflix diz ter 86 milhões de subscritores. No futuro o trunfo é a série The Crown, que estreia a 4 de novembro.

2016 fica marcado por estes bons resultados nos conteúdos originais, mas a empresa já está a pensar no próximo ano. O número de horas em 2016 foi de mais de 600, mas em 2017 vai ser de 1000. Isto vai ser possível com um orçamento de seis mil milhões de dólares apenas para produção de conteúdos em 2017.

O administrador financeiro do Netflix, David Wells, revelou na conferência de imprensa, escreve o Business Insider, que o objetivo é ter metade de conteúdos licenciados e outra metade de originais. No entanto, David Wells não revelou o rácio atual.

Ações sobem

Com os bons resultados divulgados ontem, as ações do Netflix foram negociadas fora do tempo regular e esta terça-feira registaram um aumento dos 99,8 dólares para os 117,2 dólares, com uma valorização de 18,93%. Este é um pico da cotação em bolsa da empresa desde 29 de dezembro do ano passado.

Fonte: Bloomberg (Valores em dólares)
Fonte: Bloomberg (Valores em dólares)

Editado por Mónica Silvares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netflix: Precisa de 42 dias para ver os conteúdos para 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião