PSD: Orçamento do Estado para 2017 é “sobrevivência política” a curto prazo

Este é um OE que "agrava a austeridade" e que cria "duas ilusões": uma nos portugueses na reposição dos rendimentos gradual e empurrada, outra em Bruxelas de "prudência orçamental".

O PSD atacou esta terça-feira o Orçamento do Estado para 2017 apresentado na passada sexta-feira, após uma avaliação da comissão permanente do partido. Maria Luís Albuquerque falou num OE2017 “a curto prazo” para garantir a “sobrevivência política” da esquerda.

Este é um Orçamento que “agrava a austeridade” e que cria “duas ilusões”: uma nos portugueses na reposição dos rendimentos gradual e empurrada para o final do ano, outra em Bruxelas de “prudência orçamental”. Maria Luís Albuquerque acusa ainda o Governo de “agravar os impostos em setores de recuperação económica”, citando o turismo e o imobiliário com o agravamento da taxa aplicada ao alojamento loca e com o imposto adicional ao IMI.

A ex-ministra das Finanças acusa os “donos da sensibilidade social” de não fazerem o aumento extraordinário de 10 euros para as pensões mais baixas, uma opção “incompreensível”. Maria Luís Albuquerque classifica mesmo de “vergonhoso” o argumento de que as pensões mínimas foram atualizadas no seu Governo, atacando o fim da contribuição extraordinária e solidariedade para as penões mais altas.

O ataque alarga-se às previsões macroeconómicas e às contas públicas. Maria Luís Albuquerque argumenta que Mário Centeno não atualizou a receita fiscal para este ano, o que vai contra os relatórios de execução orçamental de agosto e setembro, que o Ministério das Finanças já conhecerá. “Uma ficção”, classificou a deputada do Partido Social Democrata.

“O modelo económico falhou”, sentenciou, e tal não se deveu ao enquadramento externo, argumentou, porque a Irlanda e Espanha estão a crescer mais do que Portugal. Para Albuquerque a causa é a “incerteza permanente”, uma consequência das políticas do Governo e o impacto que têm nas expectativas dos agentes económicos.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD: Orçamento do Estado para 2017 é “sobrevivência política” a curto prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião