O Pentágono sabe como vai ser o mundo em 2045

Ficção à parte, a realidade pode vir a surpreender-nos de acordo com os investigadores da Agência de Projetos de Investigação Avançada de Defesa.

A ficção já nos tem dado algumas pistas, mas investigadores do Pentágono vão mais longe: os robôs, a tecnologia artificial, os drones e os carros autónomos farão parte da realidade em 2045.

No filme Ex Machina, a protagonista é um robô com formas humanas inteligência artificial chamada Ava. Sem revelar o final, pode-se dizer que o desfecho é de emancipação para o aparelho criado por seres humanos.

Mas este não é o único caso na ficção recente: outro filme, o Her, já relatava a história de um escritor que se apaixonava por um novo sistema operacional, a Samantha, semelhante ao que seria você apaixonar-se pela Siri, da Apple, ou a Cortana, da Microsoft.

Imagine o que será controlar diferentes aspetos da sua cada usando apenas sinais cerebrais, ou então comunicar com os seus amigos ou a sua família usando atividade neurológica do seu cérebro.

Justin Sanchez

Ficção à parte, a realidade pode vir a surpreender-nos de acordo com os investigadores da Agência de Projetos de Investigação Avançada de Defesa (Darpa, em inglês), a entidade norte-americana responsável por antecipar o que aí vem, desde inovações militares até à própria internet.

Para 2045, as apostas dos investigadores concentram-se em inovações disruptivas. Uma em particular pode surpreendê-lo: o neurocientista Justin Sanchez, que faz parte da equipa da Darpa, acredita que vamos poder controlar coisas simples usando apenas os pensamentos, escreve o World Economic Forum.

“Imagine o que será controlar diferentes aspetos da sua cada usando apenas sinais cerebrais, ou então comunicar com os seus amigos ou a sua família usando atividade neurológica do seu cérebro”, exemplificou o investigador em tecnologia e biologia, que adiantou ainda que a Darpa está a trabalhar em tecnologias neurológicas que permitem que isso aconteça no futuro.

Existem tecnologias que só serão mainstream no futuro, mas que a Darpa já está a testar. Nomeadamente, na semana passada a agência norte-americana conseguiu, pela primeira vez, dar a sensação de toque a um homem que está paralisado, com implantes cerebrais.

Além destes anúncios mais futurísticos, outras funcionalidades vão poder facilitar, por exemplo, a construção de casas. Uma das previsões é que no futuro vai ser possível construir uma casa que seja resistente e forte, mas muito leve. A ideia é ter materiais fortes como o aço, mas leve como a fibra de carbono.

Mesmo a comunicação com as máquinas podem vir a ser automatizada apenas usando a voz, como agora já se consegue com os smartphones com sistemas de reconhecimento de voz que continuam a ser melhorados. A inteligência artificial é a chave para os desenvolvimentos até 2045.

Editado por Mónica Silvares

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O Pentágono sabe como vai ser o mundo em 2045

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião