Portugueses planeiam menos, mas estão a poupar mais. Em quê?

As famílias estão a planear menos as suas finanças, mas o alívio nos custos dos créditos está a permitir-lhes poupar mais. O dinheiro fica estacionado nas contas. E poucos olham para a reforma.

As famílias portuguesas já planearam mais as suas finanças do que o fazem atualmente, mas isso não está a impedir que poupem mais: mais de dois terços conseguiu amealhar algum dinheiro no ano passado. Esta é uma conclusão retirada do Inquérito à Literacia Financeira que mostra, contudo, que nem sempre esse dinheiro é bem poupado. O extra tende a ficar na conta à ordem. E muito poucos pensam na reforma.

“Em 2015, 71,6% dos entrevistados afirmam planear o orçamento familiar e 59% referem que costumam poupar. Comparando com os resultados obtidos em 2010 há uma melhoria nos hábitos de poupança da população (mais sete pontos percentuais), ainda que diminua a proporção dos que planeiam o orçamento familiar (menos 13 pontos percentuais)”, diz o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros.

  • 59% dos inquiridos costumam poupar
  • 60,8% deixa o dinheiro na conta à ordem
  • 54,1% não pensa na reforma

“Quando questionados sobre se efetivamente pouparam no último ano, 68,3% dos entrevistados respondem positivamente. A generalidade dos que afirmaram que costumam fazer poupança, confirmam que pouparam no último ano”. 25,7% dos entrevistados que não costuma poupar também refere que o conseguiu fazer no último ano. Os que não costumam poupar diz que não o faz por “não ter rendimento suficiente para o fazer”.

Dinheiro à ordem? Até em casa

Entre os que poupam, “o principal objetivo é fazer face a despesas imprevistas e a maioria deixa as suas poupanças na conta de depósito à ordem”, acrescenta. Há “pouca pro-atividade na aplicação da poupança, uma vez que 60,8% dos que poupam afirmam deixar o dinheiro na conta de depósito à ordem e 14,5% referem guardar o dinheiro em casa. Pouco mais de um terço dos entrevistados (34,3%) afirma colocar o dinheiro numa conta de poupança e 3,9% referem aplicar em produtos de investimento.

Há pouca pro-atividade na aplicação da poupança, uma vez que 60,8% dos que poupam afirmam deixar o dinheiro na conta de depósito à ordem e 14,5% referem guardar o dinheiro em casa.

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros

“A maioria dos entrevistados prefere poupar antes de comprar, controla as suas finanças pessoais, paga as suas contas a tempo, não considera que tenha demasiadas dívidas e é avessa ao risco na aplicação das suas poupanças”, nota o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros.

E para a reforma? Pouco

No que diz respeito ao planeamento da reforma, “pouco mais de metade (54,1%) dos entrevistados revela estar pouco ou nada confiante no planeamento da sua reforma. A generalidade dos inquiridos prevê assegurar a reforma através dos regimes contributivos obrigatórios”, refere o relatório.

“O planeamento da reforma pelos entrevistados evidencia algumas insuficiências, uma vez que 7,6% afirmam não fazer qualquer planeamento e 54,1% revelam estar pouco confiantes ou nada confiantes com esse planeamento. A proporção de entrevistados pouco ou nada confiantes com o planeamento da reforma é superior nas faixas etárias entre os 25 e os 54 anos (cerca de 60%), sendo os mais confiantes os que têm 70 ou mais anos (53,3%)”, conclui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses planeiam menos, mas estão a poupar mais. Em quê?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião