TAP quer prolongar por 7 anos pagamento aos bancos

  • Leonor Rodrigues
  • 21 Outubro 2016

A conclusão e sucesso da privatização da transportadora aérea dependem da renegociação da dívida às instituições financeiras.

No final do ano passado, a TAP teve de pedir 120 milhões de euros de emergência aos bancos. O anterior Governo comprometera-se a amortizar o financiamento da transportadora aérea portuguesa assim que se assinasse o contrato de venda da empresa mas tal não aconteceu. Sem garantias de ajuda, a TAP pede agora às instituições financeiras que prolonguem o prazo de pagamento da dívida por mais sete anos.

O empréstimo aconteceu perto da altura da assinatura do contrato de privatização de 61% da TAP à Atlantic Gateway. Nessa altura, entraram cerca de 150 milhões de euros nos cofres da transportadora, os quais não serviram para pagar as dívidas aos bancos mas sim para liquidar dívidas com a gestora aeroportuária ANA e para investir no próprio negócio, de acordo com o Público. Depois disto, a renegociação dos empréstimos com os bancos não aconteceu da melhor forma, que fecharam a possibilidade de ajustar o prazo de pagamento ou as taxas de juro caso a TAP não liquidasse parte do financiamento.

O problema é que o sucesso da privatização da transportadora ao consórcio de Humberto Pedrosa e David Neeleman depende precisamente desta renegociação. Além do prolongamento do prazo de pagamento, a TAP está ainda a pedir aos bancos taxas de juro de 3,5% (não de 5% como acontece atualmente) e o pagamento das amortizações apenas em 2021.

Este pedido de prolongamento dos prazos para pagamento pretende conciliá-los com a liquidez anual da empresa. Caso este cenário se concretize, no próximo ano a TAP terá de pagar 140 milhões de euros e 50 milhões de euros no ano seguinte aos bancos envolvidos: CGD, Novo Banco, BCP, Santander e BIC. Neste processo, a CGD foi o banco responsável pelo atraso nas renegociações das dívidas devido às alterações na administração e planos de recapitalização do banco do Estado.

É quase certo que o processo de privatização da TAP, com a devolução de 50% ao Estado, não será cumprido este ano mas o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse numa entrevista ao mesmo jornal, que conta fechar a renegociação no próximo ano, assim como a venda de 5% da transportadora aos trabalhadores. Depois disso, fica a faltar apenas a aprovação do regulador da aviação, que terá de dar o seu parecer no âmbito do cumprimento das regras europeias que foram recentemente alteradas.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP quer prolongar por 7 anos pagamento aos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião