A internet é fechada a sete chaves, sabia?

A integridade da web está dependente de 14 pessoas que detêm as chaves do sistema que controla os endereços. A cada três meses, três delas reúnem-se para um ritual de verificação.

Parece ficção científica, mas é realidade. A integridade da internet como a conhecemos hoje depende de sete chaves nas mãos de um pequeno grupo de pessoas. São sete chaves principais, mas existem outras sete chaves suplentes. As chaves de que estamos a falar dão acesso ao livro de endereços da internet — isto é, a base de dados do ICANN, a entidade responsável por gerir todos os nomes de domínio da web.

Segundo o site Business Insider, de três em três meses, algumas dessas pessoas juntam-se numa espécie de ritual, sob altíssimas condições de segurança. É que, em teoria, se alguém fosse capaz de se apoderar delas, passaria a controlar todos os sites da web. Poderia, por exemplo, redirecionar qualquer endereço para uma página à sua escolha.

A ideia das chaves foi a forma que o ICANN arranjou para proteger essa base de dados — que se chama ‘Sistema de Nomes de Domínio’, ou Domain Name System (DNS) — sem adjudicar demasiada responsabilidade sobre uma pessoa só. Nesse ritual trimestral, os portadores das chaves reúnem-se para verificar e atualizar o sistema.

De acordo com o Business Insider, as chaves servem para abrir os cofres onde estão os cartões digitais que dão acesso a uma chave mestra. Essa chave é meramente um código informático com um nome esquisito: root key-signing key. E o que é que faz? Basicamente, serve para gerar mais chaves que abrem — agora sim — as várias partes do sistema. Sim, são muitas chaves.

A cerimónia de verificação acontece nos Estados Unidos, em El Segundo (Califórnia) ou em Culpeper (Virgínia). Para acontecer, têm de estar presentes pelo menos três portadores de chaves, chamados de crypto officers — são as únicas pessoas do mundo autorizadas a tocar nelas.

À reunião vai também uma pessoa responsável pelo hardware do sistema, uma pessoa responsável pelas credenciais, uma testemunha interna do ICANN e o administrador que dirige o evento. Cada um só está autorizado a executar a tarefa que lhe compete. E costumam ir também alguns visitantes e observadores.

Mas a segurança é mesmo a prioridade no evento. Tudo o resto é secundário. Para acederem à sala onde a ‘cerimónia’ acontece, é preciso atravessar vários controlos de verificação de identidade. Nem mesmo as ondas eletromagnéticas são capazes de penetrar na sala. Lá dentro, tudo é gravado e segue um rígido protocolo. Mas não é secreto: por uma questão de transparência, todos os manuais são públicos e o evento é transmitido em direto para que todos o possam ver. Aqui está um exemplo.

O próximo evento deste género acontece já na próxima quinta-feira, 27 de outubro. Mas não vai ser só mais um evento. segundo a Business Insider, vai-se substituir a própria chave mestra, algo inédito na história.

A base de dados era controlada pelos Estados Unido da América desde a criação da internet. Mas, no início deste mês, o controlo foi finalmente cedido ao consórcio global, do qual fazem parte várias empresas, utilizadores e até governos.

Porque é que isto é relevante? Desde logo porque, na última sexta-feira, um ataque informático a um único gestor de DNS deixou inacessíveis alguns dos maiores sites do mundo. Os piratas usaram um exército de computadores e dispositivos infetados para, por exemplo, quebrar a ponte entre a expressão “twitter.com” e o número associado ao servidor do Twitter.

Desconhece-se o autor. Mas o incidente serviu para recordar a importância que a integridade deste sistema tem no âmbito daquilo que é a internet dos dias de hoje.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A internet é fechada a sete chaves, sabia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião