Bancos sobem anuidades dos cartões em 28% num ano

Ter um cartão de débito custa, em média, 15 euros por ano, apurou uma análise da Deco. Associação de consumidores apela para a necessidade de impor um limite à anuidade deste tipo de cartões.

Ter um cartão multibanco está cada vez mais caro. De acordo com uma análise da Deco, entre 2015 e 2016, as anuidades dos cartões de débito agravaram-se em 28%, em termos médios, com o custo médio a fixar-se nos 15,17 euros anuais. O aumento dos custos associados à simples posse deste meio de pagamento é uma tendência que se verifica há vários anos, com os bancos a procurarem maximizar a sua rentabilidade por essa via.

Evolução das anuidades nos últimos sete anos

Fonte: Deco (Valores em euros)
Fonte: Deco (Valores em euros)

A análise da associação de consumidores concluiu ainda que o Deutsche Bank é a instituição que cobra a anuidade mais cara, destacando que esta subiu de 10,4 euros em 2015, para 26 euros este ano, o que corresponde a um aumento de 150%. No ranking dos cartões que apresentam as anuidades mais caras figuram a Caixa Geral de Depósitos, que cobra 18,72, o Millennium BCP e o Novo Banco, cujos cartões de débito custam 17,68 euros.

Já o ActivoBank e o Banco CTT são os únicos bancos que disponibilizam o cartão de débito gratuitamente. O Banco BiG cobra a comissão mais baixa, de 7,80, um valor que de acordo com a análise da Deco se mantém inalterado há sete anos. No grupo dos bancos que não aumentaram as anuidades dos seus cartões no último ano estão, além do BiG, o BIC, o BPI, o Bankinter (antigo Barclays) e o Santander Totta.

A Deco mostra-se muito crítica em relação ao agravamento dos custos das anuidades deste tipo de cartões. “A nova subida das anuidades comprova e reforça a necessidade de impor limites ao custo das anuidades dos cartões de débito. Como demonstra o nosso estudo, estes aumentos sucessivos parecem acontecer de forma descontrolada”, diz a associação de defesa dos direitos dos consumidores.

Face aos valores em vigor em 2009, as variações de custos saltam ainda mais à vista, fixando-se nos três dígitos. Considerando o universo de 17 bancos analisados, o aumento da anuidade do cartão de débito chega aos 120% no intervalo dos últimos sete anos. Ao limitar a análise aos cinco maiores bancos estudados, a subida é ainda mais elevada: 135%. “De forma global, trata-se de um aumento médio superior a 10% por ano“, especifica a Deco. Ao nível individual, o Deutsche Bank é, mais uma vez, o recordista: o banco alemão agravou em 271% o custo do seu cartão de débito desde 2009, quando custava sete euros.

A nova subida das anuidades comprova e reforça a necessidade de impor limites ao custo das anuidades dos cartões de débito. Como demonstra o nosso estudo, estes aumentos sucessivos parecem acontecer de forma descontrolada

Deco

A associação de consumidores identificou mesmo situações de alguma forma contraditórias, já que encontrou alguns cartões de crédito simples e duais que podem ficar mais baratos do que os cartões de débito.

A Deco salienta que já em setembro de 2015 tinha analisado a evolução do custo dos cartões de débito, tendo concluído que custavam quase mais 55% do que em 2011. “Contactámos então o Banco de Portugal, o Ministério das Finanças e a Assembleia da República para pedir a introdução de limites a estes aumentos. Mais de um ano depois, e apesar de termos reforçado o nosso pedido, o silêncio mantém-se“, diz a Deco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos sobem anuidades dos cartões em 28% num ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião