Governo repete estratégia e cativa 1.500 milhões do próximo Orçamento

  • Margarida Peixoto
  • 24 Outubro 2016

Centeno volta a usar as cativações como estratégia de contrologo orçamental, mostra a análise da UTAO. Há mais de 1.500 milhões que só podem ser gastos se o ministro deixar.

Em equipa que ganha não se mexe. E Mário Centeno, ministro das Finanças, está convicto de que a estratégia de controlo orçamental usada em 2016 vai funcionar. Assim, para 2017 repetiu o plano: há outra vez mais de 1.500 milhões de euros no Orçamento que só podem ser usados se o ministro deixar.

O número consta da nota de análise preliminar da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), distribuída esta segunda-feira aos deputados, e a que o ECO teve acesso. Na proposta de Orçamento do Estado para 2017, Centeno inclui 1.557,5 milhões de euros cuja utilização precisa da autorização do ministro das Finanças.

Neste valor estão inscritos 522,5 milhões de euros de cativações e reservas orçamentais, aos quais se somam 535 milhões de euros da dotação provisional e outros 500 milhões de euros de dotações centralizadas.

Estas verbas correspondem a despesas para a aquisição de bens e serviços (488,9 milhões de euros), 100 milhões de euros de investimentos e 968,6 milhões para outras despesas correntes.

Em 2016, o valor total das reservas, cativações e outras dotações dependentes do ministro era de 1.572,5 milhões de euros. Deste montante, 445 milhões foram transformados num corte permanente de despesa, na sequência do pedido da Comissão Europeia para intensificar as medidas de consolidação para este ano.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo repete estratégia e cativa 1.500 milhões do próximo Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião