Próxima crise financeira? Pode ser provocada pelas alterações climáticas

Alterações climáticas podem levar a um ajustamento repentino dos preços dos ativos, alerta o antigo diretor executivo da autoridade reguladora do Banco de Inglaterra.

As alterações climáticas podem provocar a próxima crise financeira mundial. O alerta não é dado por ambientalistas, mas por Paul Fisher, antigo diretor executivo da autoridade reguladora do Banco de Inglaterra.

“É um potencial risco sistémico”, disse o antigo responsável do Banco de Inglaterra, em entrevista citada pela Bloomberg. Porquê? Porque as alterações climáticas podem levar a um “ajustamento repentino dos preços dos ativos”.

Exemplo da volatilidade dos preços, apontou Paul Fisher, é a nova queda da libra, no início deste mês, depois de o governo britânico ter definido um calendário para deixar a União Europeia. A libra chegou a afundar para 1,10 euros no início de outubro, depois de, no final de setembro, ter estado acima dos 1,16 euros. “É precisamente esse tipo de situações que as alterações climáticas podem despoletar”, avisa o economista.

Outro fator que se apresenta como um risco para uma nova crise financeira vem da política. Isto porque os governos vão apertar o cerco às grandes empresas e reforçar a regulação, precisamente para mitigar os impactos destas alterações climáticas.

Neste contexto, Fisher lança o aviso às empresas: “Não têm de acreditar nas alterações climáticas, nem têm de acreditar que foram provocadas pela humanidade. Só têm de acreditar que os governos vão avançar com medidas que vão afetar os vossos negócios e que, portanto, há risco material”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Próxima crise financeira? Pode ser provocada pelas alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião