Vítor Gaspar propôs que salários da Caixa escapassem ao Estatuto do Gestor Público

O antigo ministro das Finanças defendia que o presidente da CGD deveria ganhar um salário mensal de quase 20 mil euros.

Vítor Gaspar, antigo ministro das Finanças, propôs em 2012 que os salários dos gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) não estivessem limitados pelo Estatuto do Gestor Público, proposta que foi rejeitada por Passos Coelho, então primeiro-ministro. Já em 2011, Gaspar tinha defendido que o presidente do banco público deveria receber um salário mensal a rondar os 20 mil euros.

A história é contada pelo Público na edição desta segunda-feira. O Governo da altura tinha acabado de alterar, em janeiro de 2012, o Estatuto do Gestor Público, que passava assim a prever a indexação dos salários do gestores públicos ao vencimento do primeiro-ministro, que ganha 6.576 euros. Havia, no entanto, a possibilidade de exceção para as empresas públicas que atuem em mercado concorrencial; nesses casos, os gestores podiam optar pela remuneração média dos três anos anteriores a terem ingressado na empresa pública. O atual Governo voltou a alterar o estatuto, acabando com os limites salariais.

Por essa altura, Gaspar defendia que os administradores da CGD deveriam ser remunerados de acordo com os critérios da lei bancária, ficando os salários ajustados às responsabilidades de cada gestor e à dimensão do banco. O antigo ministro queria, ainda assim, imposições fortes à remuneração variável.

Antes disso, em 2011, e de acordo com um despacho assinado por Gaspar e a que o Público teve acesso, o antigo ministro queria para os gestores da CGD uma tabela remuneratória mensal (a pagar 14 vezes por ano) em que o presidente da Comissão Executiva recebia 19,2 mil euros por mês; os vogais executivos recebiam 13,4 mil euros; o presidente do Conselho de Administração (não executivo) 16,3 mil euros; os vogais não executivos 2,8 euros e o presidente da Comissão de Auditoria-Remunerações 3,8 euros.

Estes valores já eram líquidos dos cortes salariais aplicados à administração pública.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vítor Gaspar propôs que salários da Caixa escapassem ao Estatuto do Gestor Público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião