Acionista chinês da TAP compra 25% da cadeia hoteleira Hilton

  • Lusa
  • 25 Outubro 2016

Grupo HNA chegou a acordo para comprar 1/4 do capital da cadeia hoteleira norte-americana. Negócio deverá ascender aos 5.975 milhões de euros.

O grupo chinês HNA, acionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul, chegou a acordo para comprar 25% do capital da cadeia hoteleira norte-americana Hilton, anunciou hoje em comunicado.

O negócio, que deverá concretizar-se no primeiro trimestre do próximo ano, prevê o pagamento de 6.500 milhões de dólares (5.975 milhões de euros) ao fundo Blackstone, que reduz assim a sua participação no capital do Hilton para 21%.

A HNA pagará 26,25 dólares norte-americanos (24,1 euros) por cada ação da cadeia hoteleira, uma quantia 15% superior à sua cotação atual.

Em comunicado, o grupo chinês considerou o negócio um “investimento estratégico”, visando também as empresas que o grupo norte-americano pretende criar: Park Hotels&Resorts e Hilton Grand Vacations.

A HNA ficará com 25% do capital de cada uma das empresas.

O acordo prevê que o grupo chinês — que atua nas áreas de turismo, aviação, imobiliário e logística — tenha direito a nomear dois dos dez membros do conselho de administração do Hilton.

A Blackstone manterá dois membros no conselho de administração, incluindo o seu atual presidente, Jon Gray.

A empresa chinesa HNA detém indiretamente cerca de 20% do capital da TAP, através de uma participação de 13% na Azul (companhia do brasileiro David Neelman que integra a Atlantic Gateway) e uma participação de sete por cento na Atlantic Gateway.

Em fevereiro passado, a HNA comprou a distribuidora de tecnologia norte-americana Ingram Micro, por 6.000 milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros), e acordou pagar 1,3 mil milhões de euros pela Gategroup, a segunda maior empresa de ‘catering’ de aviões do mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionista chinês da TAP compra 25% da cadeia hoteleira Hilton

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião