Divórcio falso transforma-se em técnica de compra de imóveis caros na China

  • Bloomberg
  • 25 Outubro 2016

A bolha do mercado imobiliário está a motivar o divórcio de casais, mas não por diferenças irreconciliáveis: é a única maneira de conseguirem investir no setor.

Este ano, o Sr. e a Sra. Cai, um casal de Xangai, decidiram terminar o seu casamento. Não por diferenças irreconciliáveis: na verdade, por causa de uma bolha no mercado imobiliário. O casal, que administra uma loja de roupa, queria comprar um apartamento por 3,6 milhões de yuans (532.583 dólares), que se somaria aos três imóveis que já têm. Mas o governo local começou, entre outras medidas de combate à bolha imobiliária, a limitar as aquisições de quem já é proprietário. Portanto, em fevereiro, o casal divorciou-se.

“Por que havíamos de preocupar-nos com o divórcio? Estamos casados há muito tempo”, disse Cai, o marido, que pediu que o nome completo do casal não fosse utilizado para evitar possíveis problemas jurídicos. “Se não comprarmos esse apartamento, perderemos a chance de ficar ricos”.

O aumento dos preços dos imóveis na China, este ano, tem vindo a inspirar medidas desesperadas como esta. Compradores agitados tentam agir antes que sejam impostas mais restrições regulatórias e, embora os últimos números, publicados na sexta-feira, mostrem um esfriamento em algumas das cidades mais ativas, como Pequim e Xangai, o custo das casas novas registou a maior alta em sete anos em setembro.

Nos primeiros três trimestres de 2016, segundo dados compilados pela Bloomberg, a média de preços de casas novas aumentou 30% nas cidades grandes, como Xangai, e 13% em cidades menores.

O boom remonta a 2014, quando o Banco Popular da China começou a flexibilizar os requisitos para empréstimos e a reduzir as taxas de juros. A Comissão Regulatória de Valores da China também suspendeu restrições sobre a venda de títulos e ações, o que ajudou a captar fundos para novos projetos.

Pouco depois, os imóveis estavam a ser vendidos a valores cada vez mais elevados nos leilões de terrenos do governo. Por volta de junho de 2016, as 196 empresas de capital aberto da China tinham contraído dívidas de 3 triliões de yuans, frente a 1,3 trilião, três anos antes. Em muitas cidades, o preço por metro quadrado de terrenos sem construção tinha subido mais do que o de apartamentos construídos num lote vizinho comparável, situação descrita pelos chineses como “a farinha está mais cara que o pão”.

Tarefa difícil

As autoridades têm tentado acabar com o excesso de oferta sem prejudicar a economia, tarefa difícil porque a febre imobiliária se distribui de forma desigual. Muitos municípios de menor tamanho dependem da venda de imóveis para preencher lacunas em seu orçamento, o que os incentiva a aumentar a oferta de terrenos para construção. Assim, nas cidades maiores, a oferta diminuiu e os preços aumentaram, mas nas cidades mais pequenas sobram apartamentos e faltam compradores.

Em 2017, o Partido Comunista organizará seu congresso quinquenal, e com um crescimento do PIB de 6,7% até agora, o ritmo mais lento desde 1990, um colapso imobiliário seria especialmente indesejado.

“Tudo que eu sei é que comprar imóveis não será um prejuízo”, disse Cai, que menciona duas décadas de alta dos preços como prova. “De vários milhares de yuans por metro quadrado a mais de 100.000 yuans. Esse preço caiu alguma vez? Não.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Divórcio falso transforma-se em técnica de compra de imóveis caros na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião