Gigante estatal química à vista na China

A China planeia fundir o Sinochen Group e a China National Chemical, num gigante com uma avaliação conjunta de mais de 100 mil milhões de dólares.

A criação de um grande gigante da indústria química estatal estará a ser preparado pela China. De acordo com a Bloomberg, a China pretende fundir o Grupo Sinochen com a China National Chemical, dando assim origem a um gigante do setor avaliado em mais de 100 mil milhões de dólares. Uma decisão que se insere no âmbito da revisão das empresas públicas chinesas.

Ainda não são conhecidos muitos detalhes sobre esta operação, existindo a possibilidade de esta ainda poder ser revista, afirmou uma fonte que não quis ser identificada, já que o processo ainda não estará concluído. Contactada pelo Bloomberg, fonte oficial da China National Chemical referiu que “não existe tal coisa”, enquanto um porta-voz da Sinchen afirmou não ter conhecimento de tais discussões.

Caso avance a fusão, esta representará uma mudança do panorama da indústria química da China, juntando-se à onda de consolidações que marca a liderança do presidente chinês Xi Jinping. Mais de mil biliões de dólares de ativos combinados surgiram desde o final de 2014 na China.

“Estas duas empresas já são gigantes, por si, pelo que fundi-las iria criar um mega gigante“, comentou a propósito deste eventual casamento no setor químico chinês, Iris Pang, economista da Natixis para a Grande China. O mesmo especialista acredita que a união das duas empresas estatais poderia ajudar a aumentar a competição na indústria e conduzir a uma subida dos preços.

A ChemChina é a maior química chinesa com 140 mil trabalhadores, segundo dados disponibilizados no site da empresa. A sua primeira aquisição no ocidente foi há uma década quando comprou o grupo francês Adisseo, Posteriormente, avançou com um conjunto de negócios no ocidente onde se incluem a norueguesa Elken, a italiana Pirelli e a alemã KraussMaffei.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gigante estatal química à vista na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião