Energias renováveis devem crescer mais de 40% até 2021

  • Rita Atalaia
  • 25 Outubro 2016

A produção de energia renovável vai crescer muito mais do que estava previsto até 2021. Será um aumento de 42% quando eram previstos apenas 13%. A AIE diz que 2015 foi um ano de recordes para o setor.

As energias renováveis a nível global vão crescer muito mais rapidamente do que o esperado até 2021. Este crescimento é proporcionado por alterações a nível das políticas, mas também por uma melhoria das perspetivas do mercado para quatro países importantes: EUA, China, Índia e México. A conclusão é da Agência Internacional de Energia, isto depois de 2015 ter sido um ano de recordes para o setor.

“A capacidade global da energia renovável deve crescer 42% para 825 gigawatts até 2021″, diz a AIE. A previsão fica acima do que foi projetado no relatório anterior, mais especificamente um aumento de 13%.

 

pexels-photo-112846

Os EUA tiveram um grande peso nesta revisão em alta. Isto graças ao prolongamento no médio prazo de benefícios fiscais federais para aumentarem o crescimento da energia solar e eólica. Estes créditos têm sido muito importantes para atrair investimento. Com este prolongamento, o país deve tornar-se no segundo maior mercado global em termos de energias renováveis.

Mas a Ásia continua a ser o motor de crescimento neste setor. A China representa quase 40% do crescimento. Em 2021, mais um de terço da capacidade eólica e solar acumulada ficará alocada na China. Na Índia, uma melhoria do cenário político, tendências concorrenciais e diminuição dos custos ligados à geração de energia são os principais responsáveis por este aumento. Já a recente reforma energética no México melhoraram as expectativas para o crescimento de médio prazo.

Paolo Frankl, diretor da divisão de energias renováveis da AIE, diz que as energias renováveis devem continuar dependentes das políticas aplicadas em cada país. O responsável diz que “ainda há obstáculos que não foram levantados”, como as dificuldades de integração nas redes na China, África do Sul ou Japão ou penalização das condições de financiamento nos países emergentes.

Renováveis em máximos recorde

As energias renováveis cresceram ao ritmo mais acentuado de sempre em 2015. Foram produzidos 153 gigawatts de energia limpa, mais do que a capacidade total instalada de um país como o Canadá. Pela primeira vez, a contribuição das renováveis correspondeu a mais de metade da produção e superou o carvão.

“O crescimento da capacidade em energia renovável tocou um máximo histórico de 153 gigawatts, graças à energia eólica no onshore e à energia solar fotovoltaica”, de acordo com o relatório da AIE. Este máximo recorde foi acompanhando pela descida acentuada dos custos relacionados com a geração de energia. Os projetos solares e eólicos onshore “devem ficar operacionais no médio prazo em mercados tão diversos como a América do Norte, América Latina, Médio Oriente e África do Norte”, explica a agência.

As energias renováveis estão a ganhar cada vez mais relevância. Portugal conseguiu funcionar apenas com energia solar, hídrica e eólica durante 107 horas consecutivas. O país conseguiu abastecer a rede elétrica sem quaisquer emissões de carbono. E já desde 2013 que metade da produção de eletricidade no país é assegurada por energias renováveis.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energias renováveis devem crescer mais de 40% até 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião