Como o Goldman Sachs está a despedir centenas de trabalhadores

  • Leonor Rodrigues
  • 26 Outubro 2016

O gigante da banca norte-americana prepara-se para fazer mais despedimentos. No total, já são mais de 400 postos de trabalho extintos desde o início do ano.

OGoldman Sachs tem despedido centenas de trabalhadores nos últimos meses mas o processo não tem sido feito de uma só vez como tem acontecido com a grande maioria dos grandes bancos internacionais. Estão a ser feitos despedimentos “um a um”.

Os primeiros despedimentos aconteceram no inicio do ano, em fevereiro, quando foram demitidas 43 pessoas. Seis semanas depois, mais 109 trabalhadores eram dispensados. Em abril foram 146, em junho mais 98 e na semana passada mais 20 pessoas ficaram a saber que iam ficar sem emprego. Com este último anúncio, já são mais de 400 postos de trabalho extintos este ano sem que nenhum seja restituído.

A verdade é que a financeira norte-americana não está a fazer nada de diferente das outras instituições bancárias, que também têm despedido um grande número de trabalhadores. A questão é o como o está fazer. Apesar de os despedimentos estarem a ser feitos “um a um”, esta é já a maior vaga de despedimentos desde 2008, quando o Goldman Sachs despediu cerca de 900 pessoas em duas vezes e, na altura, o porta-voz da instituição recusou-se a comentar o que se estava a passar.

O banco não dá explicações ou esclarecimentos, alegando que o negócio tem de continuar. Em novembro do ano passado, o diretor financeiro Harvey Schwartz afirmou numa conferência: “temos de manter o negócio a correr e, se o ambiente é negativo, temos de tomar determinadas decisões. Por isso, provavelmente não nos vão ouvir a fazer muitos anúncios”.

No último aviso de despedimentos, os 20 trabalhadores — que não são representados por nenhum sindicato — foram notificados no mês anterior ou mesmo este mês, de acordo com uma fonte da Bloomberg que pediu para não ser identificada. No total, a empresa cortou 5,4% dos postos de trabalho para os 34,9 mil colaboradores.

“Tudo o que a Goldman Sachs faz é escrutinado”, afirma Jeanne Branthover, analista da DHR International. “Isto pode ser um sinal de que as coisas estão a mudar internamente ou de que algumas áreas do negócio não estão a ter um desempenho satisfatório”, explica.

OGoldman Sachs tinha reservado 9,2 mil milhões de dólares (cerca de 8,5 mil milhões de euros) para indemnizações até setembro, menos 13% do que o valor em reserva nos primeiros nove meses do ano passado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como o Goldman Sachs está a despedir centenas de trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião