Banco do Japão volta a adiar meta de inflação de 2% para depois de 2018

  • Lusa e Rita Atalaia
  • 1 Novembro 2016

O Banco do Japão informou hoje ter adiado para depois de 2018 o prazo para alcançar uma inflação anual de 2%.

O Banco do Japão (BoJ) manteve inalterado o programa de compra de ativo. Vai continuar a injetar liquidez no mercado, até porque antecipa que seja preciso mais tempo para conseguir atingir a meta de inflação. O objetivo de chegar a 2% foi adiado para depois de 2018.

No seu relatório de perspetivas económicas, a entidade baixou em uma décima a sua previsão para a subida de preços durante o exercício fiscal de 2018 — que termina em abril de 2019 — e considerou que aumentarão até um máximo de 1,9%, em vez dos 2% que prognosticou em julho último.

O anúncio foi feito depois de o banco central do Japão ter deixado os detalhes do programa de compra de ativos inalterados nos 80 biliões de ienes por ano.

Em 2013, o banco central do Japão lançou um programa de compra de ativos para conquistar, num prazo de dois anos, uma inflação de 2%, que terminaria com um ciclo de queda de preços de quase duas décadas. No entanto, o declínio dos preços do petróleo obrigou o BoJ a atrasar, em pelo menos quatro anos, a concretização desse objetivo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Banco do Japão volta a adiar meta de inflação de 2% para depois de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião