“Acordo secreto” UE-França deixa défice derrapar

Durão Barroso e Juncker permitiram que França apresentasse previsões de défices "intencionalmente falsas" para maquilhar as contas e, assim, escapar ao Procedimento por Défices Excessivos.

Um alegado “acordo secreto” entre a Comissão Europeia e o Governo francês permitiu a François Hollande não olhar para o défice. Em França, as metas europeias não são para ser cumpridas. É esta a revelação — que não foi desmentida – do livro “Um Presidente não deveria dizer isso”, noticia o Expresso Diário.

Durão Barroso e Jean-Claude Juncker deixaram que França apresentasse previsões de défices “intencionalmente falsas” para maquilhar as contas e, assim, escapar ao Procedimento por Défices Excessivos (PDE), ao qual Portugal, entre outros países, está sujeito. A situação acontece desde que François Hollande foi eleito Presidente em 2012.

As revelações são da autoria de dois jornalistas de investigação do jornal le Monde, Gérard Davet e Fabrice Lhomme. No livro, os autores escrevem que “durante todo o quinquénio, as autoridades francesas apresentaram com efeito previsões do défice intencionalmente falsas, e isso com a aprovação das próprias autoridades europeias”. Ou seja, da Comissão Europeia e, provavelmente, do Eurostat que é quem apura os défices anuais dos Estados-membros.

Durante todo o quinquénio, as autoridades francesas apresentaram com efeito previsões do défice intencionalmente falsas, e isso com a aprovação das próprias autoridades europeias.

Gérard Davet e Fabrice Lhomme

Jornalistas do Le Monde

“Eles (na Comissão) disseram-nos: o que vos pedimos é que apontem para 3% e o que vos concederemos é uma certa bondade sobre o ritmo da vossa trajetória”, admitiu François Hollande aos dois jornalistas. Houve “benevolência sobre os números que tínhamos apresentado”, disse: “Eles sabiam que não atingiríamos os 3% em 2015!”.

Segundo Hollande, a Comissão Europeia pediu para apontarem para os 3% para poder “fazer frente a outros países”, prometendo não “atacar” os números franceses. O objetivo era inibir outros países da Zona Euro de pedirem a mesma exceção ao PDE e, por isso, perturbar a união monetária.

Quando confrontado pelos jornalistas sobre se Hollande faz o que quer com a Comissão, o Presidente francês respondeu que “é o privilégio dos grandes países (…) os europeus sabem que precisam de nós e portanto isso paga-se”.

Além de referir o défice fictício, o livro revela informações comprometedoras sobre elementos do Governo e pessoas ligadas ao partido socialista francês. Ao todo foram cinco anos de investigação, com 61 entrevistas e mais de 100 horas de entrevistas a Hollande, refere o Expresso.

Editado por Mónica Silvares

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Acordo secreto” UE-França deixa défice derrapar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião