Será que Draghi passou para o “lado negro”?

O economista-chefe do Deutsche Bank diz que o BCE entrou numa nova dimensão de risco moral, enumerando os cinco "lados negros" do programa de compra de ativos do BCE.

Mario Draghi, que acaba de completar cinco anos à frente do Banco Central Europeu, está a fazer o que até hoje nenhum dos seus antecessores se tinham atrevido. Levou a taxa de referência para zero, mas fez mais do que isso: lançou um programa de compra de ativos em larga escala. Tudo para cumprir com o “whatever it takes” na missiva de salvar o euro. Há quem aplauda, mas também quem o critique. E diga que Draghi passou para o “lado negro”.

"O BCE está preso … entre um equilíbrio desfavorável de baixo crescimento, desemprego elevado e um período de zero reformas, por um lado, e crescentes riscos para os balanços dos países principais, por outro.”

David Folkerts-Landau

Deutsche Bank

As taxas de juro muito baixas, mas principalmente a compra indiscriminada de ativos levou o Deutsche Bank a lançar um ataque contra o Banco Central Europeu. David Folkerts-Landau, economista-chefe do Deutsche Bank, elevou este conjunto de preocupações a um novo nível numa nota de research cujo título é: “O lado negro do QE [quantitative easing]”.

“Enquanto os banqueiros centrais se congratulam pela escala e originalidade da política monetária levada a cabo desde 2012, este autoelogio aparenta ser cada vez menos verdadeiro. O BCE está preso… entre um equilíbrio desfavorável de baixo crescimento, desemprego elevado e um período de zero reformas, por um lado, e crescentes riscos para os balanços dos países principais, por outro”, refere o economista.

David Folkerts-Landau, numa nota de research agressiva para com Mario Draghi e o BCE, enumera um conjunto de cinco consequências malignas do programa de 80 mil milhões de euros de compras mensais de ativos, um pacote que fez disparar o balanço do banco central, mas que ainda não atingiu o objetivo de evitar uma espiral de deflação na Zona Euro.

1. Países alvos sem reformas

“Até julho de 2012, as elevadas taxas de juro e as ameaças de refinanciamento forçaram os governos a levar a sério a necessidade de reformas. Com efeito, antes de 2012, mais de metade das medidas de crescimento económico recomendadas pela OCDE estavam a ser implementadas em toda a Zona Euro. Mas no ano passado, apenas 20%, o foram”, refere o banco de investimento alemão.

2. Preço das obrigações? Não diz nada

“Desde que os investidores começaram a antecipar as compras de dívida soberana pelo BCE no final de 2014, os spreads da dívida soberana dentro da Zona Euro foram bloqueados. Por sua vez, as yields soberanas menos representativas distorcem o universo de obrigações, como um todo, e a avaliação da dívida governamental”, refere.

3. BCE arrisca perdas. Cidadãos pagam

O Deutsche Bank alerta que “na eventualidade de uma reestruturação de um membro da Zona Euro, as responsabilidades do banco central nacional provavelmente terão de ser suportadas pelos contribuintes de outros Estados-membros, mesmo que essas perdas se estendam por um período longo. Basicamente, a dívida terá sido socializada.”

4. Poupa? Está a pagar a ajuda do BCE

O banco de investimento alerta que é quem poupa que está a pagar o programa de compra de ativos. E deixa o alerta: “o aumento dos preços da energia, a escassez de juros elevados e, em última instância, uma má reversão do programa, acabarão por passar a fatura” aos investidores mas também aos países (castigando os contribuintes).

5. BCE manteve vivas empresas zombie

“O aumento dos empréstimos foi, na sua maioria, para devedores de baixa qualidade já existentes, libertando os bancos em dificuldades da necessidade de abater empréstimos. Sem uma destruição, de forma criativa, de algumas empresas que enfrentam dificuldades, os investidores em países com elevadas poupanças, têm feito disparar o preço dos ativos saudáveis”, nota.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Será que Draghi passou para o “lado negro”?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião