Bolsa lisboeta soma quarta sessão de quedas

As desvalorizações da EDP Renováveis, da Mota-Engil e do BCP são as principais responsáveis pela queda de 0,12% do índice PSI-20. Já a Europa interrompe série de oito sessões de perdas.

A praça lisboeta não conseguiu acompanhar o sentimento positivo que as ações europeias vivenciaram na sessão de hoje. O índice PSI-20 desvalorizou 0,12%, para os 4.542,73 pontos, somando a quarta sessão consecutiva de perdas. Já as ações europeias interromperam o maior ciclo de perdas dos últimos dois anos (oito dias em queda), animadas por boas notícias com origem no Reino Unido. O Supremo Tribunal britânico obrigou o Parlamento de Londres a votar o Brexit, o que poderá atrasar ou suavizar a saída do Reino Unido da União Europeia.

A EDP Renováveis, a Mota-Engil e o BCP foram os principais responsáveis pelo recuo que se registou na praça lisboeta na sessão de hoje. As ações da empresa liderada por Manso Neto recuaram 1,29%, para os 6,48 euros, naquela que foi a sexta sessão consecutiva no vermelho. O deslize das ações da EDP Renováveis acontece depois de nesta manhã, a empresa ter reportado uma diminuição de 71%, para 29 milhões de euros, dos seus resultados até setembro, um valor abaixo do que era esperado pelos analistas.

Já a Mota-Engil viu as suas ações desvalorizarem 1,96%, para os 1,70 euros, enquanto os títulos do BCP perderam 0,59%, até aos 1,20 euros. Entre as maiores desvalorizações, destaque também para a NOS, cujos títulos perderam 0,88%, para os 5,86 euros.

As perdas do PSI-20 só não foram mais dilatadas, atendendo à recuperação das ações da EDP, mas também apoiadas no avanço dos títulos da Galp Energia. A elétrica valorizou em bolsa 0,55%, para os 2,91 euros, a recuperar da desvalorização de mais de 2% da sessão anterior, dia em que foi conhecido que a EDP está a ser alvo de uma investigação por parte da Autoridade da Concorrência. Já a petrolífera somou 0,25%, para os 12,02 euros, conseguindo contrariar a pressão negativa das cotações do petróleo nos mercados internacionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa lisboeta soma quarta sessão de quedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião