Like & Dislike: Render-se à evidência e transparência

O PS começou a ficar politicamente encurralado, numa posição incómoda de ter de defender o indefensável.

carloscesar-02-02-02
Os socialistas estavam a ficar isolados. Da direita à esquerda, quase todos estavam de acordo que António Domingues e os restantes administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) deveriam entregar as suas declarações de património junto do Tribunal Constitucional.

PCP, Bloco, PSD e CDS-PP entregaram ou prometeram entregar no Parlamento propostas de lei para tentar contrariar os efeitos da decisão do Governo que isentou os gestores da CGD do Estatuto dos Gestores Públicos.

O PS começou a ficar politicamente encurralado, numa posição incómoda de ter de defender o indefensável. Aqui e ali começaram a surgir vozes inconformadas com a apatia e as cedências que o Governo fez a António Domingues.

Carlos César, líder da bancada Parlamentar, foi dos primeiros, já na semana passada, a dizer que os “gestores da CGD têm de entregar as declarações de rendimentos no TC”. Hoje, de forma oficial, a bancada parlamentar veio tomar uma posição clara: “Entende o Grupo Parlamentar do PS que os administradores da CGD devem apresentar as suas declarações no Tribunal Constitucional, a quem compete a melhor decisão, não se justificando neste contexto a apresentação de qualquer iniciativa legislativa adicional”.

É verdade que esta tomada de posição do PS tornou-se mais fácil e mais cómoda depois da notícia de que o TC poderia eventualmente guardar segredo das declarações de património dos gestores da CGD, o que a acontecer seria uma espécie de cortar o nó górdio que resolveria as inquietações quer dos administradores da CGD, quer as do Governo. Mesmo assim a posição da bancada merece um Like.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Like & Dislike: Render-se à evidência e transparência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião