Afinal, ainda não há parecer que diz que Domingues não tem de declarar rendimentos

O gabinete jurídico da CGD está a elaborar esse parecer, mas ainda não o concluiu. Voltam, com mais força, as especulações em torno do futuro da António Domingues à frente do banco público.

Afinal, e ao contrário do que tinha sido noticiado, António Domingues ainda não tem o parecer que sustenta que não está obrigado a entregar ao Tribunal Constitucional (TC) a declaração de rendimentos e património.

Segundo avança o Público (acesso pago) na edição deste sábado, o gabinete jurídico da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a elaborar esse parecer, mas ainda não o concluiu. Aliás, escreve o mesmo jornal, só há poucos dias é que esse trabalho começou a ser feito.

A notícia do Público vem contrariar aquilo que já tinha sido dito por vários meios de comunicação. No final de outubro, a SIC Notícias dizia que António Domingues já estava na posse desse parecer jurídico.

Já o Expresso detalhava que não só o parecer estava pronto, como concluía que a declaração dos rendimentos seria obrigatória quando aplicada a gestores públicos ou a gestores de empresas participadas pelo Estado. Contudo, no caso de Domingues e da restante equipa de administração da CGD, houve escusa do Estatuto de Gestor Público, além de a CGD não ser participada pelo Estado, mas sim controlada.

Contudo, segundo o Público, os serviços jurídicos da CGD continuavam, na sexta-feira, a avaliar se os administradores do banco público são ou não obrigados a declarar rendimentos e património.

Voltam, assim, as especulações em torno do futuro de António Domingues à frente da CGD. Este sábado, o Expresso (acesso pago) volta a bater na tecla “demissão” e escreve que a administração do banco público está em risco de cair, caso o TC delibere a entrega obrigatória de declarações de rendimentos e património. Isto porque todos os administradores foram convidados no pressuposto de que não teriam de declarar essas informações.

Esta é já a segunda vez que se fala na possibilidade de demissão dos gestores da CGD. Esta semana, o Negócios já tinha adiantado que alguns administradores da CGD estão a ameaçar renunciar aos cargos se forem obrigados pelo TC a apresentarem as suas declarações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, ainda não há parecer que diz que Domingues não tem de declarar rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião