Farfetch quer faturar mil milhões. E a bolsa?

José Neves, presidente da Farfetch, a única startup avaliada em mil milhões de dólares, quer fechar 2017 com vendas do mesmo montante. Ao ECO, diz que o objetivo é ser número um a nível mundial.

A Farfetch, empresa global de comércio eletrónico de moda luxo, quer “ser o número um a nível mundial” dentro de cinco anos. A afirmação é de José Neves, fundador e presidente da empresa que reconhece, numa conversa com o ECO, querer superar a fasquia de mil milhões de euros de receitas no próximo ano. Mas também dá conta da ambição de colocar o unicórnio em bolsa. Mas “não temos previsões de uma data”.

O crescimento da Farfetch está bem presente nos números da empresa. A Farfetch vai fechar 2016 comum volume de vendas da ordem dos 800 mil dólares (721 milhões de euros), um crescimento de 60% face ao exercício de 2015. José Neves refere que “este crescimento será para manter em 2017 pelo que iremos ultrapassar a fasquia dos mil milhões de dólares (901 milhões de euros)”.

Este crescimento será para manter em 2017 pelo que iremos ultrapassar a fasquia dos mil milhões de dólares

José Neves

Fundador e presidente da Farfetch

Apesar destes números serem impressionantes, a Farfetch a nível global não apresenta ainda lucros: ” a Farfetch Portugal dá lucro há vários anos, pagamos IRC, algumas das empresas do grupo são rentáveis mas de uma forma consolidada ainda não atingimos o break-even“. José Neves não se mostra preocupado com este dado até porque explica: “isto é o resultado de um plano de investimento que os nossos investidores aprovaram”.

Mas os resultados líquidos não são os únicos números que a empresa não divulga. O montante de investimentos e até onde consolidam as contas está também no ‘segredo dos deuses’. Para o fundador da Farfetch, quando “as empresas são privadas, e não estão cotadas em bolsa, têm a grande vantagem de não dar aos concorrentes de mão beijada certas informações. Queremos manter essas vantagens competitivas em relação aos nossos concorrentes que já estão registados em bolsa e portanto são obrigados a divulgar essa informação”.

A empresa é a única em Portugal a ser considerada unicórnio, uma denominação para as startups avaliadas em mais de mil milhões de dólares. Para isso terão contribuído os mais de 300 milhões de dólares (270 milhões de euros) angariados em seis rondas de investimento.

José Neves diz que ” a nossa última ronda foi estratégica, não precisávamos de capital, mas precisávamos de investidores no sudeste asiático, uma região que representa 26% do total das nossas vendas“.

Rondas de investimento à parte, a empresa está agora com os olhos postos no mercado de capitais apesar de José Neves garantir que ainda “não temos previsões de uma data para entrar na bolsa, sabemos que vai acontecer nos próximos anos e estamos a preparar-nos“.

Não temos previsões de uma data para entrar na bolsa, sabemos que vai acontecer nos próximos anos e estamos a preparar-nos

José Neves

Fundador e presidente da Farfetch

Apesar de não adiantar o ano em que a Farfetch passará a ser cotada, é claro para José Neves que a praça financeira será Nova Iorque. “Faz todo o sentido que seja Nova Iorque, uma vez que os Estados Unidos são o nosso maior mercado e é simultaneamente o maior mercado financeiro do mundo para tecnológicas”.

Londres, onde a empresa tem a sede está para já fora de questão. O fundador da tecnológica garante que “essa decisão é independente do Brexit” ainda que reconheça que “o impacto do Brexit no mercado financeiro londrino é uma incógnita completa”. Sobre eventuais impactos na empresa, Neves diz que “positivo, o Brexit não, é com certeza“. Ainda assim, a Farfetch não equaciona alterar a sede da empresa. “Hoje em dia isso não é assim tão importante. O nosso maior receio tem a ver com o acesso ao talento”.

Assumidamente uma empresa global, a Farfetch tem onze escritórios espalhados por outras tantas cidades (Los Angeles, Nova Iorque, São Paulo, Londres, Guimarães, Porto, Lisboa, Moscovo, Xangai, Hong Kong e Tóquio). José Neves destaca o facto de “vendermos para todo o lado, mas agora temos previsto uma expansão a nível do médio oriente, onde iremos criar um site em árabe”. Os mercados com maior peso no grupo são os Estados Unidos, Reino Unido, China, Japão, Brasil e Rússia.

Com 1.200 colaboradores, 630 dos quais em Portugal, a Farfetch prevê contratar mais 300 engenheiros até ao final de 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch quer faturar mil milhões. E a bolsa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião