Governo vai disponibilizar mais 200 milhões para apoiar startups

Ao todo, estarão disponíveis, no próximo ano, 400 milhões de euros para apoiar o empreendedorismo em Portugal.

O Governo vai disponibilizar mais 200 milhões de euros para financiar startups, elevando para 400 milhões o dinheiro destinado a apoiar o empreendedorismo no próximo ano.

A notícia é avançada pelo Expresso na edição deste sábado e o anúncio oficial do 200M, como se chama o programa, será feito na segunda-feira, durante a Venture Summit, conferência paralela à Web Summit, por João Vasconcelos, secretário de Estado da Indústria.

Na mesma altura, escreve ainda o semanário, vai ser lançada uma campanha de outdoors com o mote “This is not Silicon Valley, this is Portugal” (“Isto não é Silicon Valley, isto é Portugal”), com o objetivo de virar as atenções para os benefícios que Portugal oferece enquanto hub de empreendedorismo.

A linha de 400 milhões será cofinanciada pelo Governo e por investidores privados, ou seja, 200 milhões serão dinheiro públicos e outros 200 milhões virão dos privados. Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, também este sábado, João Vasconcelos explica que este financiamento irá privilegiar gestoras de capital de risco com experiência em áreas específicas.

"Valorizamos os investidores que tenham know-how da indústria, especialização.”

João Vasconcelos

Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1

“Queremos atrair os melhores investidores. E não só investidores de capital de risco. Pela primeira vez, nós valorizamos os investidores que tenham know-how da indústria, especialização. Queremos que os investidores estejam à vontade com digital, com robótica, com biotecnologia, com farmacêutica, com renováveis”, disse o governante na entrevista, citado pelo Negócios.

A linha de 200 milhões será financiada por fundos do Portugal 2020 e chega às empresas ao longo próximo ano. Poderão concorrer ao financiamento investidores portugueses e estrangeiros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai disponibilizar mais 200 milhões para apoiar startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião