Comércio internacional vai recuperar em 2017, diz estudo internacional

O comércio internacional vai recuperar ligeiramente em 2017 segundo um estudo da Cosec. Estima-se que a economia portuguesa vai ter ganhos adicionais com exportações de 5,2 mil milhões de euros.

Depois de um abrandamento em 2016, o comércio internacional vai crescer mais, beneficiando países como Portugal. No total, segundo um estudo da seguradora de crédito Cosec, a economia portuguesa vai ter ganhos adicionais com exportações no valor de 5,7 mil milhões de dólares (cerca de 5.2 mil milhões de euros) em 2016-2017. Esta será a consequência de um crescimento total do comércio internacional de 3,1%.

Em 2015 o comércio internacional cresceu 3%, mas a previsão para 2016 traz más notícias: vai haver uma desaceleração para os 2,1%. Este tem sido, aliás, uma das razões invocadas em Portugal, internamente, para justificar a revisão de metas macroeconómicas.

Além disso, a própria previsão de crescimento económico global sofreu com este recuo. “Entre 2014 e 2016, o mundo perdeu 3.129 mil milhões de dólares na troca de bens e serviços (valor que representa o PIB da Alemanha)”, afirma Ludovic Subran, economista chefe da Euler Hermes, acionista da Cosec.

Entre 2014 e 2016, o mundo perdeu 3.129 mil milhões de dólares na troca de bens e serviços.

Ludovic Subran

Economista chefe da Euler Hermes

Mas o que explica este fenómeno? “A quebra da procura nos países emergentes, os preços de bens essenciais que vão permanecer baixos durante mais tempo, a onda de depreciações de moedas, e uma tendência crescente de isolamento (menor dependência do comércio externo) explica o desempenho abaixo do esperado”, referem os autores do estudo.

No entanto, o Outlook sobre comércio internacional da Euler Hermes prevê melhores notícias para 2017. A recuperação será impulsionada pela Alemanha, os EUA e o Japão, deixando de fora uma China em maus lençóis. O crescimento das importações neste países vai ajudar o comércio internacional a descolar em 2017 mais do que em 2016.

Vai haver uma procura menor daquela registada em anos anteriores. Ainda assim, os países europeus vão ser os mais beneficiados: a própria Alemanha será o país mais beneficiado em termos de exportações adicionais neste período. Segue-se França, Irlanda, Itália e Espanha. Portugal aparece no final da tabela com um ganho de cerca de 5,2 mil milhões de euros.

Ganhos de exportação adicionais por país

comércio internacional exportações coec
Fonte: Cosec (exportações adicionais acumuladas durante 2016-2017 em mil milhões de dólares)

 

Contudo, é de ressalvar que esta recuperação é ligeira: “Infelizmente, há pouca esperança que o comércio recupere totalmente das perdas para os valores antes da crise financeira, até mesmo depois de 2017“, considera Ludovic Subran, economista chefe da Euler Hermes, no comunicado enviado às redações.

A marcar o comércio internacional nos próximos anos vai estar o risco político relacionado com políticas protecionistas. Além disso, o estudo nota que “globalmente os consumidores procuram mais serviços e experiência do que bens” e que “o financiamento do comércio tornou-se mais complexo e dispendioso”. E ainda que existem “deslocamentos estruturais na procura global, enquanto a China e os EUA continuam a recuar no seu papel de motores de comércio global”.

Editado por Paulo Moutinho

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comércio internacional vai recuperar em 2017, diz estudo internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião