ADSE pode vir a ter participações em privados de saúde

  • ECO
  • 8 Novembro 2016

Diploma que transforma a ADSE num Instituto Público inclui cláusulas para permitir a compra de participações em entidades prestadoras de serviços de saúde.

Transformada em Instituto Público, a ADSE terá possibilidades de adquirir participações em entidades privadas de prestação de serviços de saúde. Esta hipótese está prevista no projeto de diploma que se encontra em consulta pública desde ontem, segunda-feira.

Ao Jornal de Negócios, o diretor-geral da ADSE, Carlos Liberato Baptista, afirmou que a possibilidade “fica em aberto”, ou seja: “O novo Instituto Público poderá vir eventualmente a deter participações em entidades prestadoras”.

Segundo o diploma, disponível aqui em PDF, a aquisição deste tipo de participações precisa da autorização da tutela das Finanças e da Saúde, e do aval do órgão que o próprio diploma vai criar, o Conselho Geral e de Supervisão, que incluirá representantes dos beneficiários do subsistema de saúde dos trabalhadores do Estado, conhecido como ADSE.

Carlos Liberato Baptista acrescentou ainda, ao Negócios, que os excedentes da ADSE poderão ser “rentabilizados” pelo Instituto Público através de “aplicações financeiras em produtos específicos que sejam disponibilizados pelo IGCP”.

O diploma introduz ainda outras alterações ao funcionamento da ADSE, incluindo para os beneficiários, onde o espetro de acesso à ADSE deverá ser alargado a familiares dos funcionários do Estado que antes não tinham acesso, desde que descontem para o subsistema de saúde. É o caso dos filhos maiores de idade (ou a partir dos 25 anos, se até essa idade permaneçam a estudar) e dos cônjuges que não pertenciam já à ADSE. O diretor-geral do subsistema esclarecera na semana passada que os familiares dos funcionários públicos que neste momento beneficiam do subsistema sem descontar para tal não verão nenhuma alteração.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE pode vir a ter participações em privados de saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião