Web Summit: Sinónimo de caos no metro

O Web Summit atrai mais de 50 mil pessoas. E também o caos para o metro de Lisboa. Apesar do reforço prometido pela Câmara de Lisboa, há quem não consiga entrar nas carruagens.

O Web Summit em Lisboa está a atrair mais de 50 mil pessoas. Mas não está fácil chegar ao Parque das Nações. Apesar de todas as garantias dadas pela Câmara de Lisboa de que tudo estaria preparado para receber os participantes, incluindo os transportes, há quem não consiga entrar no metro.

Fernando Medina garantiu ao Jornal de Negócios que Lisboa “tem sido capaz de acolher grandes eventos e a movimentação de centenas de milhares de pessoas e a cidade está preparada para isto. A cidade funciona”. Mas não é isso que se vê hoje no metro de Lisboa. E isto é visível no vídeo publicado pela rádio Renascença, onde muitas pessoas ficaram de fora na estação da Alameda.

Apesar do reforço feito para receber o evento de tecnologia, com o metro a circular durante toda a noite e com seis carruagens, há quem não consiga sequer entrar nas carruagens. Na manhã de hoje, “muita gente ficava nas plataformas porque não conseguiam entrar nas carruagens”, diz uma das participantes no Web Summit ao ECO. Além disso, “as carruagens estão paradas mais tempo do que o normal”, nota. O Twitter foi inundado com fotos dos vários participantes que tentam chegar ao evento através do metro.

O ECO contactou o Metro de Lisboa. A empresa disse num comunicado enviado às redações que vai encerrar a estação de Arroios a partir de hoje, às 16h00, de maneira a garantir a segurança e aumentar a capacidade de transporte. “Com base na análise dos movimentos detetados durante o primeiro dia do Web Summit e previsíveis para os restantes dias, com o objetivo de garantir a segurança e maior capacidade de transporte de passageiros no âmbito do evento, a estação de Arroios ficará encerrada a partir das 16 horas do dia de hoje, permitindo assim a utilização de seis carruagens na linha verde”, explica o Metro de Lisboa. E acrescenta que a “estação será reaberta logo que o Metropolitano de Lisboa considere que estejam reunidas as condições normais de procura”, após o evento.

Durante o encerramento da estação de Arroios, para além das carreiras habituais, a Carris reforçará o seu serviço, prolongando a carreira 797 da Praça do Chile à Alameda. No início deste mês, o metro disse que a rede de transportes “estaria preparada para acolher o grande volume de participantes esperados” e que, para isso, teria “equipas especializadas no aeroporto e na estação de metro do Oriente para prestar informações úteis sobre a melhor forma de os participantes de movimentarem em Lisboa”.

Uber ou Táxi?

Num dia em que todos tentam chegar ao Parque das Nações, há várias opções. Uma delas é a Uber. Abrindo a aplicação é possível ver que há vários carros na zona do Web Summit. O tempo de espera não é muito diferente do habitual, nem as tarifas sofrem grandes alterações. E ao que parece está a ser a escolha de quem não consegue apanhar um táxi.

Participantes disseram ao ECO que chamaram um táxi e que receberam a informação de que haveria 20 pedidos à frente. Depois de estarem meia hora à espera, voltaram a ligar para a central mas já não atenderam. O Uber foi a opção escolhida neste caso. Florêncio de Almeida, presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros, diz que não tem conhecimento de que haja problemas a nível dos táxis.

(Notícia atualizada às 15h45 com as declarações do Metropolitano de Lisboa e da ANTRAL.)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit: Sinónimo de caos no metro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião