Web Summit: 10 oradores a não perder no dia 1

São esperados centenas de oradores nas dezenas de palcos do Web Summit esta terça-feira. Por isso, o ECO selecionou os dez cabeças de cartaz do segundo dia do evento que enche Lisboa até quinta-feira.

Foi um arranque com casa cheia. Na segunda-feira, cerca de 15 mil pessoas assistiram ao arranque do Web Summit no Meo Arena, em Lisboa, com o promotor Paddy Cosgrave e o primeiro-ministro António Costa a darem o pontapé de saída. Mas foi só o primeiro dia. Para esta terça-feira, centenas de oradores estarão nas dezenas de palcos do evento a falar sobre tecnologia, empreendedorismo e inovação.

Por isso, o ECO selecionou os dez cabeças de cartaz deste segundo dia de evento e diz-lhe quando e onde vão intervir.

Cerca de 15 mil pessoas estiveram no arranque do Web Summit esta segunda-feira, em LisboaPaula Nunes/ECO
  1. Mike Schroepfer, diretor de tecnologia do Facebook. O responsável técnico da maior rede social do mundo vai falar no palco principal (Meo Arena), às 9h45, sobre o que tem o Facebook para oferecer nos próximos dez anos. Realidade virtual será, certamente, um dos temas em cima da mesa. E sobre este painel, Paddy Cosgrave deixou um conselho: vá cedo, porque a casa vai encher.
  2. Durão Barroso, presidente não executivo do Goldman Sachs. Dispensa apresentações. Às 10h20, o ex-presidente da Comissão Europeia participará num painel que se antevê quente: Governos e empreendedores, um casamento feito no inferno? Será no palco principal e, em conjunto com outros três oradores (Daniel Saks, Rene Obermann e Karen Tso), falará dos desafios que as startups atravessam nas relações com as grandes empresas e, claro, os governos.
  3. Ann Mettler, responsável do Centro Europeu de Estratégia Política da Comissão Europeia. Mettler estará às 10h25, no palco Future Societies (FIL, Pavilhão 1), para participar num painel onde se vai debater como a internet é capaz de causar impacto no processo democrático. Isto, em dia de eleições presidenciais do outro lado do Atlântico. Gary Marcus, Paul Hilder e Charles Arthur são os três nomes que, com Mettler, subirão ao palco.
  4. Carlos Ghosn, presidente executivo da Renault-Nissan Alliance. À conversa com o correspondente de tecnologia da CNBC Arjun Kharpal, Ghosn falará das barreiras que se interpõem entre o projeto do carro sem condutor e a aplicação da tecnologia em cidades reais. Será às 10h40, no palco principal. Ainda de manhã, pelas 11h25, estará também no palco Talk Robot (Pavilhão 2 da FIL) para um painel também sobre carros autónomos. Serão eles os smartphones do futuro?
  5. Axelle Lemaire, secretária de Estado do Governo francês. Foi a primeira ministra francesa para os Assuntos Digitais e, às 11h20, no palco Future Socieites, fará uma apresentação de como foi a experiência. Lemaire é conhecida por ser uma defensora acérrima das startups e da neutralidade da internet.
  6. Salil Shetty, secretário-geral da Amnistia Internacional. Shetty vem a Lisboa para falar de direitos humanos, mais propriamente de como a internet se interliga com eles: as pessoas estão mais conectadas e, por isso, mais vulneráveis, tanto na rede como fora dela. Participará num painel às 11h35, no palco Future Societies.
  7. Bob Greifeld, presidente executivo do Nasdaq. O homem que encabeça o índice de referência da tecnologia em Wall Street vem a Lisboa para, numa conversa com Charles Arthur, do jornal The Guardian, falar das ofertas públicas iniciais (IPO) na bolsa, bem como o impacto do Brexit e das eleições norte-americanas nos mercados de capitais norte-americanos e europeus. A conversa decorre no palco MoneyConf, no Pavilhão 2 da FIL, às 14h40.
  8. José Neves, fundador da Farfetch. José Neves lidera o primeiro unicórnio português, isto é, a primeira startup portuguesa a valer mil milhões de euros. E numa altura em que a empresa se prepara para uma entrada em bolsa já em 2017, é imperativo estar no palco principal às 14h50, para assistir ao debate sobre o panorama tecnológico europeu e como criar sinergias numa Europa pós-Brexit.
  9. Carlos Moedas, comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação. Moedas vai estar no mesmo painel de José Neves, às 14h50 no Meo Arena, para falar do atual panorama tecnológico europeu e do futuro do velho continente.
  10. Ronaldinho, investidor. O famoso futebolista brasileiro estará às 15h no palco SportsTrade (Pavilhão 1 da FIL) para contar como se passa de estrela do futebol a investidor em startups e tecnologia. Ronaldinho explicará porque escolheu este caminho e, acima de tudo, porque é que escolheu a tecnologia como área predileta.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Web Summit: 10 oradores a não perder no dia 1

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião