1500 investidores, 2 mil empresas, 663 oradores. O Web Summit, agora em números

Está tudo pronto para receber o Web Summit, que arranca no dia 7 e decorre até dia 10, em Lisboa.

Já estão fechadas as vendas de bilhetes para o Web Summit este ano. Vão ser 72 mil participantes a chegar a Lisboa na próxima semana, para ver o maior evento de empreendedorismo e tecnologia do mundo. Mas esse é só um número. Quais são os outros? Conheça o Web Summit, agora em números.

72 mil participantes

Ao todo, estão registados 53.056 participantes no Web Summit, um número que ultrapassa o objetivo. Além destes, há outros 19 mil que se registaram para eventos especiais. A maior parte, claro, vem da área tecnológica. Mas não só: há muitos que vêm de setores como o retalho, construção, escritórios de advogados e agricultura. Sem esquecer o desporto, representado por nomes como o de Luís Figo ou Ronaldinho Gaúcho.

Contas feitas, há 72 mil participantes registados, dos quais mais de 7.700 são portugueses, incluindo 239 startups, 170 investidores e 30 parceiros.

165 países

Os participantes vêm de 165 países. Portugal está em destaque e é seguido de perto pelo Reino Unido, com mais de 7.480 participantes. Seguem-se a Alemanha e a Irlanda, com 4.175 e 4.058 participantes, respetivamente.

20 mil empresas

Há mais de 20 mil empresas a marcar presença no Web Summit, das quais duas mil são startups. 150 “de topo” vão representar Portugal. A lista das gigantes da tecnologia impõe respeito que vão estar cá para a semana: Facebook, Microsoft, Cisco, Xerox e Canon é uma pequena amostra.

663 oradores

Era difícil ter uma lista de oradores mais completa. Entre os 663 que vão partilhar as suas histórias, há CEOs de grandes empresas e empreendedores que ainda agora começaram, artistas e economistas, futebolistas e jornalistas de renome.

1.500 investidores

Se a lista de oradores e empresas presentes impressiona, a de investidores também. Entre fundos de capital de risco e business angels, 1.500 vão andar pelo Web Summit à procura dos melhores negócios para investir. Google Ventures, Y Combinator, 500 Startups, Seedcamp e Portugal Ventures são alguns deles.

7.000 presidentes executivos

Sete mil presidentes executivos vão passar por Lisboa. Da tecnologia ao desporto, passando pela moda, música, saúde e até pelo mercado de capitais.

2.000 jornalistas

Os meios de comunicação vão contribuir para a enchente da capital. Não só estarão dois mil jornalistas a cobrir o evento, como, alguns, vão fazer parte dos oradores. As editoras da News Statesman ou da The Economist, Laurie Penny e Anne McElvoy, são dois exemplos.

178 balcões de registo

Vão estar disponíveis 178 balcões de registo entre a FIL e o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Os responsáveis do aeroporto preveem alcançar os 30 mil registos, numa operação que arranca este sábado e termina na terça-feira. Os registos duram cerca de 55 segundos e é necessário fazer o download da aplicação do Web Summit, bem como apresentar identificação.

15 palcos temáticos, 21 cimeiras temáticas

Os 15 palcos temáticos vão receber 21 cimeiras temáticas, onde se vai falar de código, dados, conteúdo, design, empresas, moda, tecnologia de saúde, marketing, dinheiro, música, sociedade startup e máquina.

2.000 voluntários

O evento conta com dois mil voluntários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

1500 investidores, 2 mil empresas, 663 oradores. O Web Summit, agora em números

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião