Web Summit: Aeroporto de Lisboa prevê 30 mil registos

  • Lusa
  • 4 Novembro 2016

Quem chegar de avião à capital portuguesa vai a partir de sábado encontrar toda uma sinalética e informação ao longo do percurso no aeroporto até chegar à tenda de registo.

O aeroporto de Lisboa prevê atingir os 30 mil registos de participantes da Web Summit na capital, numa operação que decorre de sábado até terça-feira e para a qual foi montada uma tenda com 36 balcões.

“Vamos ter cerca de 30 mil pessoas a fazer o registo dentro do aeroporto”, disse o diretor adjunto do Aeroporto Humberto Delgado, Nuno Ferreira, baseando-se no facto de já existirem cerca de 55 mil inscritos na cimeira tecnológica e em dados da organização da Web Summit, segundo os quais cerca de 50% a 75% dos registos foram feitos logo no aeroporto de Dublin na edição passada.

Quem chegar de avião à capital portuguesa vai a partir de sábado encontrar toda uma sinalética e informação ao longo do percurso no aeroporto até chegar à tenda de registo, no exterior, junto à entrada da estação de metro.

Desde a sala de recolha de bagagens e pelo caminho, os passageiros serão alertados pelos funcionários do aeroporto e por cerca de 170 voluntários da Web Summit para a necessidade de “fazer o ‘download’ (descarregar) da ‘app’ (aplicação)”, podendo para tal utilizar “a infraestrutura de wifi gratuita do aeroporto” e com informação sobre os locais de registo, segundo explica Nuno Ferreira.

“Um registo que será transformar o registo digital feito na ‘app’ num registo físico que será um ‘badge’ (cartão)”, disse.

E tudo demora apenas 55 segundos por pessoa, garante o responsável da Web Summit pelo registo dos participantes, Killian Martin, que explica o processo e lembra que no total, entre aeroporto e FIL, existem 178 pontos de registo.

“É mesmo muito simples, só são precisas duas coisas, uma é que o participante tem de ter a sua identificação à mão – cartão do cidadão, passaporte ou carta de condução – e a outra é ter pronta a ‘app’ no telemóvel. Então quando chega, apresenta a identificação e valida o código do bilhete que é então impresso”, explica.

E acrescenta: “Quanto mais preparado estiver um participante, quanto mais este tiver à mão a sua identificação e a ‘app’, mais rápido será” para todos.

Já os oradores e os meios de comunicação social internacionais terão à sua disposição um espaço próprio para o registo, o Lounge Apolo, dentro do aeroporto, mas na área pública.

“A operação Web Summit começa mais cedo no aeroporto. Vai começar no sábado, ao meio-dia, que é quando se espera a onda e o pico da hora de almoço e de voos que vêm da Europa, com muitos passageiros já para se inscreverem na Web Summit, e encerra à meia-noite de sábado. Depois, no domingo, segunda e terça-feira o período de registo inicia-se às 06:00 até à meia-noite de cada um desses dias”, adiantou Nuno Ferreira.

Em relação às partidas, Nuno Ferreira diz que, não sendo uma preocupação, o aeroporto prevê que “sejam mais espaçadas e que alguns dos participantes possam aproveitar a cidade durante o fim de semana”, pelo que está previsto “também algum reforço das posições pelo menos até dia 14”.

O aeroporto também já alertou a rede de transportes públicos, entre o Metro, a Carris e os táxis, assim como os hotéis, para a necessidade de se “estar preparado para dar resposta a este acréscimo” de passageiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit: Aeroporto de Lisboa prevê 30 mil registos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião