App do Web Summit dispara nas lojas de aplicações

Mesmo sendo de acesso reservado a participantes, a aplicação do Web Summit subiu das vigésimas posições para terceiro lugar na App Store. No Android, está entre as mais populares na categoria social.

Com o arranque do Web Summit em Lisboa, a aplicação oficial do evento disparou para o top nas duas principais lojas de aplicações. Entre domingo e segunda-feira, a app subiu das vigésimas posições, ocupando agora o terceiro lugar no top de aplicativos mais descarregados na versão portuguesa da App Store (iOS). Na Play Store (Android), a ferramenta encontra-se em sétimo lugar entre as mais populares no país na categoria “Social”.

app_wesummit

Pormenor interessante é o facto de que, apesar de gratuita, o acesso à aplicação é reservado. Só utilizadores acreditados para o Web Summit (participantes, investidores, voluntários, jornalistas e por aí em diante) é que podem usar a ferramenta, o que mostra o alcance daquele que é considerado um dos maiores eventos de tecnologia, empreendedorismo e inovação do mundo.

A aplicação “Web Summit 2016” foi lançada ao público em meados de outubro. Permite falar diretamente com qualquer participante do evento, assim como consultar o mapa e os programas dos diversos palcos da iniciativa. Há ainda um algoritmo que recomenda painéis e pessoas, consoante os interesses do utilizador. Na loja do sistema Android, a aplicação regista já mais de dez mil downloads. Mas, embora a Apple não avance números, é quase certo que tenham havido muitos mais na loja dos iPhones e iPads.

Este ano, o Web Summit decorre entre 7 e 10 de novembro em Lisboa, onde são esperadas 53 mil pessoas vindas de 166 países. É a primeira vez que o evento sai de Dublin, a casa-mãe. Decorrerá anualmente na capital portuguesa até 2018, com a possibilidade de se estender até 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

App do Web Summit dispara nas lojas de aplicações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião