Vitória de Trump dita perdas acima de 2% nas ações europeias

Principais índices registam quedas em torno de 2%, com os setores da banca e automóvel a lideram as perdas nas ações europeias.

A vitória de Trump nas eleições presidenciais norte-americanas está a pesar no sentimento das ações europeias neste arranque de sessão. Os principais índices bolsistas do Velho Continente registam perdas em torno de 2%.

O Stoxx Europe 600 recua 0,83%, para os 332,22 pontos, com o títulos da banca e do setor automóvel a serem os mais penalizados. O banco espanhol BBVA é um dos títulos do índice que agrega as 600 maiores cotadas que estão a ser mais penalizados. As suas ações recuam 6,32%, enquanto o Credit Suisse, cujas receitas dependem em mais de um terço da atividade na América vê as suas ações perderem 1,35%, para os 12,38 francos suíços. Já no setor automóvel, referência para o deslize de 3,22%, das ações da Daimler, para os 61,69 euros. De salientar que este resultado eleitoral é penalizador sobretudo para as empresas europeias que mais dependem das receitas dos EUA. Cerca de 17% das receitas das empresas europeias têm origem nos EUA.

"A vitória de Trump é de longe um problema maior do que o Brexit.”

Jörg Krämer

Commerzbank

A abertura da porta da Casa Branca a Trump representa também mais um revés no bloco europeu, após a vitória do Brexit em junho, e levanta questões sobre a saúde da banca e a eficácia dos estímulos dos bancos centrais. “A vitória de Trump é de longe um problema maior do que o Brexit”, escreveu esta manhã numa nota Jörg Krämer, economista-chefe do Commerzbank.

“Os traders estão já a expressar as suas preocupações em relação à depreciação do dólar, o que é uma má notícia para as ações europeias”, afirmou ainda James Butterfill, responsável pela estratégia de investimento da ETF Securities, em Londres, citado pela Blooomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vitória de Trump dita perdas acima de 2% nas ações europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião