Autoridades reduzem risco de tsunami após sismo na Nova Zelândia

  • ECO e Lusa
  • 13 Novembro 2016

Após um alerta nacional de risco de grandes ondas, as autoridades neo-zelandesas baixaram o nível de risco. Ondas de dois metros começaram a atingir as zonas costeiras. Não há registo de vítimas.

As autoridades neo-zelandezas registaram hoje um tsunami com ondas de dois metros na Ilha do Sul da Nova Zelândia, após um terramoto de magnitude 7,8, seguido de várias réplicas, não havendo até ao momento registo de vítimas.

“Ocorreu um tsunami, a primeira onda chegou à costa nordeste da Ilha do Sul”, indicou o Ministério da Defesa Civil e Gestão de Desastres da Nova Zelândia, na sua conta do Twitter. O Ministério recomendou aos habitantes da costa leste do país que se desloquem “para zonas elevadas ou o mais possível para o interior”, e que subam para os pisos superiores dos edifícios ou até às árvores.

Entretanto, foi reduzido o nível de risco de ondas grandes, com as autoridades a indicarem que em certas zonas a população pode regressar às respetivas casas em segurança.

“Ouçam a rádio e sigam as instruções dos serviços de emergência”, acrescenta a mensagem de alerta.

Além do tsunami, o sismo, inicialmente classificado como de magnitude 7,4 e depois revisto para 7,8, provocou cortes de energia e do serviço telefónico em muitas partes do país.

O tremor de terra, que foi superficial, ocorreu 90 quilómetros a norte da cidade de Christchurch, na Ilha do Sul, onde um outro sismo de magnitude 6,3 matou 185 pessoas em 2011.

O sismo ocorreu às 00:02 (11:02 de hoje em Lisboa) e foi sentido em quase todo o país.

Ao primeiro tremor seguiu-se uma série de fortes réplicas e há notícia de edifícios danificados na cidade rural de Cheviot, perto do epicentro.

Numa breve mensagem no Twiter, o primeiro-ministro, John Key, escreveu: “Espero que todos estejam a salvo após o sismo desta noite”.

O serviço de ambulâncias disse não ter recebido relatos de ferimentos devidos ao sismo.

Embora o Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico ter dito que, com base nos dados disponíveis, “não é expectável um tsunami destrutivo”, a organização nacional de defesa civil admitiu a possibilidade de um tsunami chegar à costa neo-zelandeza.

Em 2011, um sismo de magnitude 6,3 fez 185 mortos em Christchurch.

A Nova Zelândia fica situada no “Círculo de Fogo do Pacífico” um arco de falhas sísmicas no Oceano Pacífico, onde são comuns os tremores de terra.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridades reduzem risco de tsunami após sismo na Nova Zelândia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião