Índia injeta 27 mil milhões de euros para evitar crash da banca

  • ECO
  • 13 Novembro 2016

Banco central foi obrigado a injetar dinheiro no sistema depois de uma corrida ao multibanco na sequência de uma decisão do governo de retirar de circulação as notas mais usadas pelos indianos.

Os bancos indianos já receberam mais de 27,5 mil milhões de euros (dois biliões de rupias) em dinheiro depois da decisão surpreendente do Governo de acabar com as notas de maior valor ter provocado uma corrida da população aos multibancos durante todo o fim-de-semana.

Em causa estão as notas de 500 e 1.000 rupias — que valem cerca de 6,8 e 13,6 euros, respetivamente — que vão retiradas gradualmente de circulação, como parte de um esforço do primeiro-ministro Narendra Modi para combater a evasão fiscal.

Anunciada a decisão de retirar estas notas no dia 8 de novembro, a população precipitou-se numa corrida desenfreada aos multibancos para trocar as velhas pelas novas notas no sentido de ter dinheiro disponível para as suas compras básica, deixando as máquinas sem liquidez suficiente para responder à procura. Este problema agravou-se na medida em que a maioria dos multibancos não está preparada para desembolsar as novas notas que o banco central está a introduzir no sistema.

Um comunicado divulgado pelo Ministério das Finanças indiano dava conta de um valor recorde de 70 milhões de transações ao meio-dia deste sábado, revelando que em mais de 4.000 localidades os multibancos ficaram sem dinheiro. E isto numa altura em que só dentro de duas semanas as máquinas estarão totalmente reconfiguradas para distribuir as novas notas.

“O grande problema é que as pessoas estão a ficar bastante incomodadas, mas a substituição das notas numa magnitude como esta vai causar alguns problemas. As filas são longas, mas ordenadas. Porém, uma substituição de notas em tão grande escala não pode ser realizada da noite para o dia”, disse Arun Jaitley, ministro das Finanças indiano, pedindo à população para realizar as suas transações financeiras através de transferências eletrónicas, do uso de cheques ou cartões de crédito ou de débito, ao invés de usarem dinheiro vivo nas suas operações do dia-a-dia.

"O grande problema é que as pessoas estão a ficar bastante incomodadas, mas a substituição das notas numa magnitude como esta vai causar alguns problemas. As filas são longas, mas ordenadas. Porém, uma substituição de notas em tão grande escala não pode ser realizada da noite para o dia.”

Arun Jaitle

Ministro das Finanças indiano

Face a este stress no sistema bancário nacional, a Reserve Bank of India, o banco central indiano, pediu à população para se manter tranquila e evitar idas consecutivas ao banco para acumular dinheiro vivo. “Asseguramos que há dinheiro suficiente em notas de menor valor no banco central e bancos”, declararam os responsáveis indianos, adiantando que o banco central tem as suas impressoras a produzir dinheiro na sua total capacidade.

Com a eliminação das notas de 500 e 1.000 rupias, Modi tenta cumprir a sua promessa eleitoral quanto ao combate à corrupção. Num evento em Goa, o governante anunciou que o executivo vai tomar mais medidas para conter a evasão fiscal e economia paralela.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Índia injeta 27 mil milhões de euros para evitar crash da banca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião