Comércio: Bússola de May virada à Índia com visita

No próximo mês, a primeira-ministra inglesa vai piscar o olho ao comércio indiano. Esta visita à Índia pode ser um sinal para o futuro do mercado pós-Brexit.

É a primeira viagem bilateral fora da União Europeia de Theresa May. E é um sinal aos britânicos do que podem vir a ser os acordos comerciais do Reino Unido. Daqui a um mês a primeira-ministra vai à Índia, noticia o The Guardian, mas nega que um acordo com Nova Deli resulte numa saída do mercado único e da união aduaneira europeia.

Vão ser três dias nesta missão de expansão internacional do comércio britânico, numa altura em que o ambiente é de incerteza. Isto porque quem votou para a saída da União Europeia previa um reajustamento da balança comercial e migratória entre a Europa e a Commonwealth, mesmo que May já tenha indicado que quer ter acesso ao mercado único europeu. Em que termos? Ainda não se sabe.

O clima, aliás, é todo de incerteza, um frio gelado que tem afastado os investidores e que fez a libra chegar a mínimos históricos. A visita à Índia tem em vista começar a inverter essa tendência para chamar investimento para o Reino Unido, além do reforço dos laços entre os dois Estados.

“Temos a oportunidade de moldar um novo papel global para o Reino Unido — temos de olhar para além do nosso continente [Europa] e de virar para as oportunidades económicas e diplomáticas no resto do mundo”, anunciou Theresa May.

“Queremos criar uma economia que verdadeiramente funcione para todos. Esta nova abordagem às missões de comércio internacional vão ajudar a atingir esse objetivo”, afirmou quando se referia à viagem à Índia.

“Estou determinada para capitalizar essas oportunidades e para embarcar numa missão à Índia relacionada com o comércio. Vamos mandar a mensagem de que o Reino Unido vai ser mais impetuoso, consistente e convincente na defesa por um comércio livre”, afirmou a primeira-ministra inglesa.

Acompanhada pelo secretário de Estado responsável pelo comércio internacional, Liam Fox, a primeira-ministra vai visitar empresas em Nova Deli. A delegação vai incluir representação de pequenas e médias empresas britânicas, assim como das várias regiões do país.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio: Bússola de May virada à Índia com visita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião