Função Pública: menos 2.849 postos de trabalho até Setembro

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 15 Novembro 2016

Ministério da Educação deu contributo significativo para a redução. No terceiro trimestre do ano, as administrações públicas contavam com 655,5 mil postos de trabalho.

Nos primeiros nove meses do ano, o emprego nas Administrações Públicas recuou 0,4%, o que implica uma redução de 2.849 postos de trabalho, indicam os dados da Síntese Estatística de Emprego Público, publicada esta terça-feira. O Ministério da Educação foi o que mais contribuiu para esta evolução.

Inicialmente, o Executivo esperava reduzir em 10 mil o número de funcionários públicos, mas já no início deste mês o ministro das Finanças, Mário Centeno, explicou que o número de aposentações estava aquém do esperado, o que obrigou a uma revisão da meta para cerca de um terço.

Para o saldo entre entre entradas e saídas até setembro contribuiu sobretudo o Ministério da Educação, que conta com menos 3.036 trabalhadores. A explicação incide essencialmente sobre o “movimento de docentes contratados a termo por períodos específicos ou por um ano letivo, coincidindo o 3.º trimestre com a mudança de ano escolar”.

Os dados hoje divulgados indicam ainda que, das 42.466 saídas definitivas das Administrações Públicas até setembro, 4.311 foram por aposentação, abaixo das 5.030 reformas registadas nos primeiros nove meses de 2015.

“O número de aposentados está muito abaixo”, reconhecia Centeno durante uma audição parlamentar sobre o Orçamento do Estado para 2017, no início do mês. “De uma estimativa de 20 mil, passámos para 15 mil e os últimos números apontam para a aposentação de seis mil e poucos efetivos na administração pública, onde esta regra [duas saídas por cada entrada] se iria aplicar”, afirmou Centeno quando revelou a revisão da meta para cerca de um terço.

No terceiro trimestre do ano, as Administrações Públicas (que abrangem administração central, regional e local e fundos de Segurança Social) contavam com 655,5 mil postos de trabalho, menos 0,6% face ao trimestre anterior. E são sobretudo os Ministérios da Educação e da Ciência que justificam esta descida, “refletindo a atividade do início do ano letivo 2016/2017, com o processo de colocação de docentes contratados nos estabelecimentos de educação e ensino básico, secundário e de ensino superior, ainda geralmente incompleto no final do mês de setembro”, diz o SIEP. Em comparação homóloga, o emprego cresceu 1% (6.319 postos de trabalho), também com o contributo significativo do Ministério da Educação.

As estatísticas da Direção-Geral da Administração e Emprego Público (DGAEP) também dão conta da evolução salarial dos funcionários públicos. Em julho, o ganho médio das administrações públicas (inclui remuneração base, prémios, subsídios regulares e horas extra) era de 1.656,7 euros, mais 0,9% face a abril e mais 2,2% face ao mesmo período de 2015.

Já a remuneração base dos trabalhadores a tempo completo cresceu para 1.440,1 euros, “por efeito conjugado do impacto das políticas remuneratórias” e “da entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios”. Em 2016, os cortes salariais que incidiam sobre os salários acima de 1.500 euros foram progressivamente eliminados e o salário mínimo aumentou.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Função Pública: menos 2.849 postos de trabalho até Setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião