Governo, BE e PCP fecham acordo para integrar precários na Função Pública

  • ECO
  • 12 Novembro 2016

Ainda não se sabe como a medida vai ser incluída no orçamento, mas os primeiros trabalhadores com contratos precários começam a ser integrados nos quadros do Estado já a partir de 2017.

O Governo chegou a um “acordo de princípio” com o Bloco de Esquerda e o PCP para avançar com o processo de regularização dos vínculos precários existentes na Administração Pública. Ainda falta definir a forma como esta norma programática será concretizada no Orçamento do Estado para 2017, mas é certo que já no próximo ano começam a ser integrados nos quadros do Estado os primeiros trabalhadores precários que “estejam a cobrir necessidade permanentes da Administração Pública”, avança (acesso pago) a edição deste sábado do semanário Expresso.

A informação foi confirmada àquele semanário pelo Bloco de Esquerda, pelo PCP e pelo secretário de Estados dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. O governante adiantou que o modelo de inclusão desta norma no orçamento “ainda está a ser trabalhada” entre os três parceiros, lembrando que “o acordo de princípio entre todos os parceiros está previsto desde o orçamento de 2016, onde foi inscrita uma norma que prevê a regularização do trabalho precário na Administração Pública”. “Estamos a dar seguimento a esse compromisso”, disse Pedro Nuno Santos.

"O acordo de princípio entre todos os parceiros está previsto desde o orçamento de 2016, onde foi inscrita uma norma que prevê a regularização do trabalho precário na Administração Pública.”

Pedro Nuno Santos

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares

O secretário de Estado esteve esta sexta-feira reunido com responsáveis do Bloco e do PCP separadamente, adianta ainda o semanário. Em cima da mesa das negociações estava a forma como esta proposta de alteração será inscrita no Orçamento do Estado para o próximo ano, “se irá ser subscrita por todos os partidos da ‘gerigonça’ ou cada um apresenta a sua”, escreve o jornal.

Foi no âmbito do acordo de princípio firmado no Orçamento do Estado de 2016 que se criou um grupo de trabalho para realizar o “levantamento de todos os instrumentos de contratação utilizados pelos serviços, organismos e entidades da Administração Pública e do Setor Empresarial do Estado, nomeadamente com recurso a Contrato Emprego-Inserção, estágios, bolsas de investigação ou contratos de prestação de serviços”. De acordo com Pedro Nuno Santos, “está por dias” a divulgação das conclusões do relatório produzido por este grupo.

Entre as informações que este documento trará está a quantificação do número exato de trabalhadores do Estado em situação precária e que podem ver a sua situação laboral mais definida no próximo ano. E ainda os custos decorrentes deste processo de regularização. Contas realizadas em 2014 pelo economista Eugénio Rosa apontavam para cerca de 110 mil vínculos precários no Estado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo, BE e PCP fecham acordo para integrar precários na Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião