Consumo de petróleo só abranda depois de 2040

  • Rita Atalaia
  • 16 Novembro 2016

Apesar de todas as promessas feitas no Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, o consumo de petróleo não vai abrandar até 2040. A culpa é, segundo a AIE, da falta de alternativas ao petróleo.

A procura global por petróleo não vai abrandar antes de 2040. O consumo da matéria-prima vai continuar a aumentar e a culpa é da atual falta de alternativas. Mas a Agência Internacional de Energia (AIE) alerta que o futuro sobre a energia global depende de um fator: das políticas dos governos.

“A era dos combustíveis fósseis parece estar longe de terminar”, diz Fatih Birol, o diretor executivo da AIE. A melhoria da eficácia nos motores movidos a gasolina e um aumento do número de veículos elétricos na estrada não são suficientes para parar este aumento do consumo de petróleo, acrescenta o responsável.

"A procura por petróleo vai continuar a aumentar porque há atualmente poucas alternativas para o transporte rodoviário, aviação e petroquímicos (…) A era dos combustíveis fósseis parece estar longe de terminar”

Fatih Birol

diretor executivo da Agência Internacional de Energia

Apesar do Acordo de Paris, que entrou em vigor a 4 de novembro para se combater o aquecimento global, a falta de alternativas parece ser a culpada pelo aumento do consumo da matéria-prima. Fatih Birol explica que “há atualmente poucas alternativas ao petróleo para o transporte rodoviário, aviação e petroquímicos”.

O responsável nota que o maior investimento nas energias renováveis ainda não é suficiente. “As renováveis vão fazer progressos significativos nas próximas décadas, mas permanecem limitadas à geração de eletricidade”, explica o diretor executivo da AIE, acrescentando que o próximo obstáculo para estas energias será o “aumento da sua utilização nos setores industrial, construção e transportes, onde existe um enorme potencial de crescimento”.

A AIE deixa um alerta: o futuro sobre a energia global depende das políticas dos governos. “Vemos claros vencedores nos próximos 25 anos — o gás natural mas especialmente a energia solar e eólica — que vão substituir o vencedor dos últimos 25 anos, o carvão”, diz a agência. “Mas, na prática, as políticas dos governos vão determinar o que acontece daqui para a frente.”

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Consumo de petróleo só abranda depois de 2040

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião