Angola: malparado vai “subir significativamente”, diz a Economist

  • Lusa
  • 19 Novembro 2016

Economist Intelligence Unit avisa que o crédito malparado vai subir em Angola. O banco central tem pouca margem para conter o efeito. Preços do petróleo e gestão orçamental são determinantes.

A Economist Intelligence Unit prevê que o crédito malparado em Angola deverá “aumentar significativamente” nos próximos dois anos, destacando que o banco central, apesar dos bons esforços, tem uma capacidade limitada para modernizar o setor.

Num relatório especial sobre a banca, enviado esta semana aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, a unidade de análise económica da revista britânica ‘The Economist’ afirma “esperar que o crédito malparado aumente significativamente em 2016 e 2017, devido ao contínuo abrandamento económico por causa dos preços baratos do petróleo”.

"Vários projetos económicos e de construção foram suspensos, incluindo os pagos pelo Estado, o maior financiador do desenvolvimento de infraestruturas.”

Economist Intelligence Unit

Os analistas usam os dados do relatório da Deloitte ‘Banca em Análise’, de outubro, para lembrar que o crédito malparado (os empréstimos que os bancos não conseguem cobrar) subiu para mais de 2 mil milhões de dólares, o equivalente a 13% dos ativos do setor bancário no país.

O documento lembra que “vários projetos económicos e de construção foram suspensos, incluindo os pagos pelo Estado, o maior financiador do desenvolvimento de infraestruturas”, e sublinha o efeito que isso teve no desempenho económico de muitas pequenas e médias empresas, principalmente as que tinham mais trabalhos estatais.

Destacando as melhorias no setor bancário, cujos ativos subiram 5,4% no ano passado, a EIU nota, no entanto, que “os preços baratos do petróleo, que causaram um abrandamento na economia e levaram a uma significativa desvalorização do kwanza, permanecem um desafio significativo para as instituições financeiras do país a médio prazo”.

Outro dos desafios sublinhados na análise é a regulação pelo banco central, que é elogiado por via do novo presidente: “O empenho nas reformas é positivo, mas em última análise, o maior desafio do Banco Nacional de Angola no próximo ano é conter o impacto do baixo valor da moeda e os efeitos do abrandamento económico no recurso e desempenho do crédito”, diz a EIU.

O problema, concluem, é que “os poderes do BNA para lidar com estes desafios são limitados, uma vez que o ambiente macroeconómico vai continuar a depender mais dos preços do petróleo e da gestão orçamental”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola: malparado vai “subir significativamente”, diz a Economist

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião