Presidente do Bundesbank: “Comissão desistiu de aplicar as regras”

  • Margarida Peixoto
  • 19 Novembro 2016

O presidente do banco central alemão criticou duramente a decisão da Comissão Europeia por não ter sancionado Portugal e Espanha por terem furado o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

“A minha perceção é que a Comissão Europeia basicamente desistiu de aplicar as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento” — a afirmação é de Jens Weidmann, presidente do Bundesbank, o banco central alemão. Em declarações ao Financial Times, publicadas esta sexta-feira, o banqueiro da maior economia do euro critica a atuação de Bruxelas por ter desistido de aplicar sanções a Portugal e Espanha.

As declarações de Weidmann surgem depois de a Comissão Europeia ter, mais uma vez, decidido não agir sobre Portugal e Espanha e não ter apresentado qualquer proposta de suspensão parcial dos fundos comunitários. Já em julho Bruxelas acabou por anular a recomendação de sanções pecuniárias aos dois países, por terem furado os limites orçamentais impostos pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento, em 2015.

"A minha perceção é que a Comissão Europeia basicamente desistiu de aplicar as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento”

Jens Wiedmann

Presidente do Bundesbank

Para o banqueiro alemão, as decisões da Comissão pressionam o papel do Banco Central Europeu: “Eventualmente, pode aumentar a pressão na zona euro para tornar as elevadas dívidas sustentáveis através de baixas taxas de juros”, afirmou, ao FT.

Além disso, “Estes novos instrumentos e a perspetiva de um longo período de taxas de juro ultra baixas deram origem a uma situação em que a política monetária se tornou alvo de um intenso debate político”, continuou. “A intensidade do debate atingiu um nível em que, no final do dia, pode interferir na própria independência dos bancos centrais”, defendeu.

A 16 de novembro, a Comissão Europeia emitiu opiniões formais sobre as propostas de Orçamento dos países do euro, para 2017. Apesar de ter pedido esclarecimentos adicionais a Portugal, e de ter classificado o risco de incumprimento das metas orçamentais que o país enfrenta no próximo ano como “desvio significativo”, validou a proposta portuguesa não exigindo medidas de consolidação adicionais. O ministro das Finanças português, Mário Centeno, só terá de encontrar mais medidas de consolidação caso os riscos identificados se materializem.

Na mesma semana, Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, reuniu-se com Mário Centeno e elogiou o caminho da economia portuguesa. Horas antes, numa audição no Parlamento português, Moscovici já tinha frisado que, entre os países em risco, “Portugal é o melhor aluno”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do Bundesbank: “Comissão desistiu de aplicar as regras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião