Gosta de vinho? Invista na winetech portuguesa

  • Ana Luísa Alves
  • 21 Novembro 2016

A Wine With Spirit é a primeira winetech portuguesa. Lança esta segunda-feira uma campanha de financiamento na Seedrs, plataforma de equity crowdfunding internacional.

Se gosta de vinho deve conhecer a Wine With Spirit. Esta é a primeira winetech portuguesa e pioneira também no recurso à Seedrs, plataforma de equity crowdfunding europeia. A campanha de financiamento é lançada esta segunda-feira. A meta? 450 mil euros.

Através da venda de ações na internet, numa operação chamada de equity crowdfunding, a empresa pretende captar até 450 mil euros. O valor obtido com esta operação vai ser investido na Lyfetaste, uma plataforma criada este ano que permite, através da internet, potenciar franchisados, afiliados e distribuidores em todo o mundo.

A Wine With Spirit, fundada em 2011 por João Pedro Montes, está avaliada em 7,89 milhões de euros. Para João, o modelo de financiamento encontrado permite “chegar fácil e rapidamente a um vasto número de investidores, tanto a nível particular como junto dos grandes investidores institucionais de venture capital”.

Do outro lado do “negócio” está Filipe Portela, diretor de desenvolvimento de negócios da Seedrs, para quem as campanhas feitas por empresas vinícolas “permitem não só chegar a um grande número de potenciais investidores, como ainda reforçam a ligação entre a empresa e os seus clientes”. Filipe acrescentou que espera que a “Wine With Spirit se junte aos casos de sucesso das suas congéneres europeias”.

A Seedrs é uma plataforma que permite que indivíduos e instituições invistam nas empresas que entenderem através de um processo online simples. Já ultrapassou a fasquia dos 100 milhões de libras captados em financiamento para empresas em fase de arranque.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gosta de vinho? Invista na winetech portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião