CDS: “Este Orçamento é uma oportunidade perdida para Portugal”

  • Margarida Peixoto
  • 29 Novembro 2016

Cecília Meireles, deputada do CDS, defendeu que o Governo não cumpriu o que prometeu, satisfez "clientelas" e falhou na gestão do dossier da Caixa.

Cecília Meireles, deputada do CDS, subiu à tribuna para acusar o Governo de António Costa de ter feito promessas que não cumpriu. “Em vez de esperança, trouxe-nos propaganda”, frisou, no encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2017, esta terça-feira, na Assembleia da República.

Para a deputada dos populares, “este era o momento de virar a página” e de pensar no crescimento económico, já que a conjuntura externa, “por enquanto, nos é favorável”. O país tinha-se libertado da troika e, por isso, tinha a oportunidade de alterar o modo de abordar os problemas, defendeu. Contudo, o Orçamento que o Governo apresentou “é uma oportunidade perdida para Portugal”, atirou.

Cecília Meireles recuperou então várias das propostas de alteração ao Orçamento que o CDS apresentou e acusou a esquerda de incongruência por ter reprovado a sugestão dos centristas de aumentar em moldes idênticos aos previstos para as restantes pensões, as pensões mínimas, sociais e rurais. A deputada não perdeu também a oportunidade de recuperar o tema da Caixa Geral de Depósitos, acusando o Governo de má gestão do dossier.

Este é o Orçamento da nova austeridade, da austeridade dissimulada”, argumentou, acusando o Governo de “confundir as pessoas”, de “afastar o investimento” e de se preocupar apenas com a satisfação de “clientelas”.

No final, acusando as esquerdas de eleitoralismo, rematou: “Esta é a fatura de sobrevivência do governo socialista que todos os portugueses vão ter de pagar.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS: “Este Orçamento é uma oportunidade perdida para Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião